Coronavírus

Governo cria dois novos apoios para famílias mais afetadas pela pandemia

Um abono de família extraordinário e um complemento de estabilização.

Especial Coronavírus

O Governo vai criar dois apoios suplementares para apoiar as famílias mais afetadas pela pandemia.

Trata-se de um abono de família extra e de um complemento de estabilização para quem perdeu parte do salário nos últimos três meses.

A noticia avançada esta manhã pelo jornal Púublico explica que o plano de estabilização destina-se a trabalhador em lay-off com um ordenado até 1270 euros mensais. O valor deve ser pago em agosto e vai corresponder a um terço do salário.

Já o abono exta destina-se às famílias cujos filhos já recebem este apoio do 1º ao 3º escalão. Deve ser pago em setembro, como forma de apoiar o regresso às aulas e corresponde ao valor base do abono de família.

1.447 mortos e mais de 33 mil casos de Covid-19 em Portugal

Em Portugal, segundo os últimos dados revelados pela DGS na quarta-feira, morreram 1.447 pessoas e há 33.261 infetados desde o início da pandemia.

Há mais 11 mortes em relação ao dia anterior, enquanto o número de infetados aumentou 366, o que representa um aumento de 1,1%.

O número de casos recuperados subiu de 19.869 para 20.079, mais 210.

383 mil mortos e mais de 6,4 milhões infetados em todo o mundo

A nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, a pandemia de covid-19 já provocou mais de 383 mil mortos e infetou mais de 6,4 milhões de pessoas em 196 países e territórios.

Mais de 2,7 milhões de doentes foram considerados curados.

Depois de a Europa ter sucedido à China como centro da pandemia em fevereiro, o continente americano passou a ser o que tem mais casos confirmados (mais de três milhões, contra mais de 2,2 milhões no continente europeu), embora com menos mortes (mais de 169.700, contra mais de 180 mil).

Para combater a pandemia, os governos mandaram para casa 4,5 mil milhões de pessoas (mais de metade da população do planeta), paralisando setores inteiros da economia mundial, num “grande confinamento” que vários países já começaram a aliviar face à diminuição dos novos contágios.