Coronavírus

Lisboa e Vale do Tejo com mais de 70% dos novos casos desde fim do estado de emergência

Rafael Marchante

Contabilização é feita a partir de 2 de maio.

Especial Coronavírus

Mais de 70% dos casos de infeção por Covid-19 reportados desde o fim do estado de emergência, em 2 de maio, foram registados em Lisboa e Vale do Tejo, que até àquela data tinha apenas 20% dos infetados do país.

Analisando o boletim da Direção-Geral da Saúde de 3 de maio, com dados até às 24:00 de 2 de maio, quando terminou o estado de emergência, e o boletim desta quinta-feira, a agência Lusa constatou que Lisboa e Vale do Tejo (LVT) tinha 6.047 infetados e 210 mortos em 3 de maio, o que correspondia a 23,9% e 20,13%, respetivamente, dos totais registados em todo o país.

Passado mais de um mês, a região de LVT regista 12.137 infetados (36,13% do país) e 383 mortos (26,32%). Estes dados significam um aumento de 100,71% ao nível de infetados e de 82,38% ao nível de óbitos registados.

Boletim de 4 de junho.

Boletim de 4 de junho.

Tendo em conta apenas o período entre o fim do estado de emergência e quinta-feira, a região registou 6.090 infeções (73,29% do país) e 173 mortos (41,99%).

Região Norte com 49,51% das vítimas mortais desde o fim de estado de emergência

No entanto, a região Norte tem uma percentagem mais alta de mortos em igual período (49,51% do total do país, correspondendo a 204).

No boletim de 3 de maio este valor era de 57,24% (597 mortos), tendo caído para 55% em 4 de junho (801 mortos).

A percentagem de infetados no Norte em relação ao total do país também tem vindo a descer: era de 59,41% em 03 de maio e de 50,07% em 4 de junho.

Tendo em conta apenas o período entre o fim do estado de emergência e quinta-feira, foram registados nesta região 21,64% do total de infeções em Portugal.

Por outro lado, a percentagem de aumento de casos e de mortos no Norte desde o fim do estado de emergência foi de 11,97% e de 34,17%, respetivamente, bem abaixo dos valores registados em Lisboa e Vale do Tejo.

A região Centro apresentava em 3 de maio 13,63% dos casos reportados no país e 20% dos mortos, mas um mês depois estas percentagens já se situam em 11,22% e 16,49% respetivamente.

Se a análise for apenas relativa ao período desde o fim do estado de emergência, o Centro tem apenas 3,89% dos casos e 7,52% dos óbitos.

Algarve, Alentejo, Madeira e Açores registam cada um, desde 3 de maio, menos de 1% dos caos reportados no país.

Madeira não tem registo de óbitos

Quanto a mortos, a Madeira está a zeros e o Alentejo não registou qualquer óbito desde o fim do estado de emergência. Algarve e Açores registam menos de 1% dos óbitos do país também entre 3 de maio e 4 de junho.

Portugal esteve em estado de emergência entre 19 de março e 2 de maio, seguindo-se o estado de calamidade e o levantamento gradual, de 15 em 15 dias, das medidas de confinamento.

Segundo dados da Direção-Geral da Saúde divulgados na quinta-feira, Portugal registou desde o início da pandemia 1.455 mortos associados à Covid-19 em 33.592 casos confirmados de infeção. Relativamente ao dia anterior, há mais oito mortos (+0,6%) e mais 331 casos de infeção (+1%).

O número de pessoas hospitalizadas subiu de 428 para 445, das quais 58 se encontram em unidades de cuidados intensivos (mais duas).O número de doentes recuperados é de 20.323.

  • 15:42