Coronavírus

Pela primeira vez desde 12 de março, Nova Iorque não regista mortes por Covid-19

Frank Franklin II

Os Estados Unidos estão quase a atingir 1,87 milhões de casos de contágio.

Especial Coronavírus

A cidade norte-americana de Nova Iorque não registou novas mortes causadas pela covid-19 nas últimas 24 horas pela primeira vez desde 12 de março, informaram na quinta-feira as autoridades locais.

O atual número cumulativo de mortes desde o início da pandemia na cidade é de 21.752, incluindo 16.992 confirmadas e 4.760 prováveis.

A primeira morte confirmada por coronavírus em Nova Iorque ocorreu a 11 de março e o número de mortos atingiu o pico a 07 de abril, quando se registaram 590 óbitos.

Na quinta-feira, os Estados Unidos registaram 1.021 mortos devido à covid-19, elevando o total para mais de 108 mil óbitos desde o início da pandemia.

Os Estados Unidos estão quase a atingir 1,87 milhões de casos de contágio, sendo que cerca de 485 mil pessoas foram dadas como curadas, de acordo com os números contabilizados diariamente pela Universidade Johns Hopkins, sediada em Baltimore (leste), até às 20:30 de quinta-feira (01:30 de hoje em Lisboa.

O país tem o maior número de vítimas fatais e de casos confirmados em todo o mundo, mas países europeus como França, Itália ou Espanha têm mais mortes "per capita".

De acordo com uma média de nove modelos epidemiológicos produzidos por pesquisadores da Universidade de Massachusetts, o número de mortes por covid-19 deve atingir as 127 mil no país até 27 de junho.

A nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, a pandemia de covid-19 já provocou mais de 388 mil mortos e infetou mais de 6,5 milhões de pessoas em 196 países e territórios.

Mais de 2,8 milhões de doentes foram considerados curados. A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Depois de a Europa ter sucedido à China como centro da pandemia em fevereiro, o continente americano passou a ser o que tem mais casos confirmados (mais de 3,1 milhões, contra mais de 2,2 milhões no continente europeu), embora com menos mortes (mais de 173 mil, contra mais de 181 mil).

Para combater a pandemia, os governos mandaram para casa 4,5 mil milhões de pessoas (mais de metade da população do planeta), paralisando setores inteiros da economia mundial, num "grande confinamento" que vários países já começaram a aliviar face à diminuição dos novos contágios.