Coronavírus

França anuncia 15.000 milhões de euros para ajudar indústria da aviação

Charles Platiau

O apoio exige à industria da aviação a investir em aeronaves de menor emissão poluente.

Especial Coronavírus

O governo francês anunciou hoje 15 mil milhões de euros (16,9 mil milhões de dólares) de ajuda à indústria aeronáutica afetada pelo novo coronavírus, incluindo a fabricante de aviões Airbus e a companhia aérea nacional Air France.

O ministro das Finanças francês, Bruno Le Maire, divulgou hoje o plano de resgate de uma indústria que emprega centenas de milhares de pessoas em França, cujos meios de subsistência foram lançados na incerteza devido às restrições de viagens provocadas pela Covid-19.

O dinheiro inclui investimento direto do Estado, subsídios, empréstimos e garantias de empréstimos, incluindo sete mil milhões de euros em empréstimos e garantias que o Estado francês já tinha prometido à Air France, cujos aviões estão em quase total inatividade por causa do novo coronavírus.

O apoio exige a esta indústria investir cada vez mais rapidamente em aeronaves elétricas, hidrogénio ou outras aeronaves de menor emissão poluente.

"Tudo faremos para apoiar esta indústria francesa, que é tão crítica para a nossa soberania, os nossos empregos e a nossa economia", afirmou Bruno Le Maire.

A pandemia de Covid-19 já provocou mais de 404 mil mortos e infetou mais de sete milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo o balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal morreram 1.485 pessoas das 34.885 confirmadas como infetadas, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

  • Marcelo Rebelo de Sousa: aprender a perder para depois ganhar o país

    Presidenciais

    Marcelo Rebelo de Sousa foi um predestinado. Nasceu e cresceu à boleia da ditadura, mas a sua luta foi pela democracia. Parecia não alimentar a vontade de alcançar altos cargos políticos e chegou mesmo a invocar o nome de Deus em vão: "Nem que Cristo desça à Terra!", dizia Marcelo. Declarou também que dez anos como Presidente da República era muito tempo. Mas ei-lo de novo a contrariar-se e a seguir o caminho que já lhe vinha a ser apontado.

    Ana Luísa Monteiro