Coronavírus

Especialista avisa que até 2025 haverá uma nova ordem mundial

Pascal Rossignol

"Estou convencido de que este será um momento de transição".

Especial Coronavírus

O ex-responsável de planeamento do Departamento de Estado norte-americano Edward Fishman avisou hoje que as alterações forçadas pela pandemia de Covid-19 irão levar ao estabelecimento de uma nova ordem mundial nos próximos um a cinco anos.

"Estou convencido de que este será um momento de transição", afirmou o especialista, que é investigador não residente do Conselho do Atlântico e investigador adjunto do Centro para uma Nova Segurança Americana, falando numa sessão organizada pela Associação de Correspondentes Estrangeiros nos Estados Unidos.

"Há um desejo inerente de voltar à normalidade e uma nostalgia para regressar à vida pré-pandemia", afirmou. "É importante aceitarmos que não haverá um regresso ao normal e que uma crise desta magnitude não desaparece simplesmente de um dia para o outro".

Fishman, que trabalhou como conselheiro para o Secretário de Estado da administração Obama, John Kerry, projetou uma nova ordem mundial com um sistema de dois níveis. Um nível global em que participam todas as grandes potências e um nível paralelo que reunirá o que descreve como democracias com afinidades, cujos princípios são semelhantes.

"O nível global tem de ter um âmbito estrito, focar-se apenas nos problemas de ação coletiva: alterações climáticas, cibersegurança e pandemias", declarou o especialista. "O nível das democracias com afinidades deve focar-se em problemas mais divisivos e ambiciosos: desinformação, evasão fiscal e desigualdade".

O ex-conselheiro afirmou que este momento deverá levar a uma "retirada ordeira e pensada da globalização", frisando as "consequências muito negativas" que teve na sociedade, que o período pós-pandemia justifica a criação de cadeias de fornecimento alternativas (por exemplo para produtos farmacêuticos) e que as infraestruturas devem ser construídas entre democracias com afinidades.

A aliança D10 proposta pelo Reino Unido para contornar a importância da China e da Huawei no fornecimento de equipamento 5G é, segundo ele, um exemplo disso.

O estabelecimento do nível de democracias com afinidades não será, considerou, feito através de um único grande acordo ou conferência.

"Estou cético de que a nova ordem nasça num grande summit", disse, referindo que haverá vários eventos importantes.

"À medida que os líderes puderem encontrar-se em pessoa começaremos a ver essas coisas a acontecer", considerou, referindo a proposta do candidato democrata à Casa Branca, Joe Biden, para a realização de um "Summit para a Democracia".

"É erróneo pensar que as consequências das eleições de 2020 não são imensas para o estabelecimento da nova ordem mundial", acrescentou.
Fishman aconselhou a "evitar o jogo da culpa" e disse que os Estados Unidos da América devem ser "generosos" a ajudar na reconstrução económica do resto do mundo e a encontrar a cura para a Covid-19. "Até a pandemia estar contida em todo o lado, não estará contida em lado nenhum", declarou.

Os EUA devem também procurar um "consenso doméstico" sobre o caminho a seguir, indo além das fraturas partidárias que existem neste momento para se concentrar nas questões em que os norte-americanos concordam, como o combate às alterações climáticas e à ameaça do cibercrime.

Edward Fishman argumentou que este é o fim da ordem iniciada em 1945 após a II Guerra Mundial e disse que há várias lições a retirar da forma como essa - e a ordem anterior, de 1919 - foram criadas e conduzidas.

"As ordens mundiais são tão valiosas quanto a confiança que os países lhes atribuem", disse o responsável. A Covid-19 veio mudar tudo: "Com os grandes poderes a serem vistos como perdedores, a confiança na ordem mundial deixa de existir".

O especialista afirmou que nesta transição será necessário planear com tempo e decidir quais são os princípios que políticos, líderes cívicos, cidadãos e empresas querem ver na nova ordem mundial, que poderá trazer uma economia mais equitativa.

"Estas transições são muito raras", disse. "É importante que não estraguemos esta oportunidade".

VER MAIS NO ESPECIAL CORONAVÍRUS