Coronavírus

Fundação Portuguesa do Pulmão defende o uso obrigatório de máscara na rua

Medida está em vigor na Madeira desde o início do mês.

Especial Coronavírus

A Fundação Portuguesa do Pulmão defende o uso obrigatório de máscara na rua, prática que considera ser fundamental para o controlo mais eficaz da pandemia.

O Ordem dos Médicos concorda com utilização obrigatória de máscara para situações e localidades com maior concentração de pessoas e onde o risco de transmissão é a maior a máscara é fundamental.

Uma ideia que também agrada ao Presidente da República.

A importância das outras medidas de prevenção

A Fundação alerta também para a necessidade de se melhorarem as atitudes comportamentais preventivas e que têm sido muito divulgadas, como a etiqueta respiratória, a desinfeção das mãos e das superfícies, e o distanciamento social, além da utilização de máscara em todos os espaços públicos interiores.

As propostas da Fundação surgem numa altura em que em Portugal e a nível mundial "a situação epidemiológica da pandemia covid-19 não se apresenta consolidada", com a percentagem de população afetada a não ultrapassar os 0,3%, "o que significa que a infeção tem um enorme potencial de progressão", diz-se no comunicado.

Nova fase da vida social: e agora?

No documento alerta-se também que se está prestes a entrar numa nova fase da vida social, com o início das aulas e abertura de outras atividades, com o consequente aumento da proximidade entre as pessoas, o que fará aumentar o risco de transmissão da doença.

A fundação lembra também que se aproxima a época da gripe, pelo que a circulação conjunta de uma segunda onda pandémica e do vírus da gripe "é motivo acrescido de preocupação".

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 754 mil mortos e infetou quase 21 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 1.772 pessoas das 53.783 confirmadas como infetadas, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.