Coronavírus

Primeiro-ministro apela a instalação da aplicação Stayaway Covid

RUI MANUEL FARINHA

António Costa garante que é segura e voluntária a sua utilização.

Saiba mais...

O primeiro-ministro apelou esta segunda-feira para que todos os portugueses instalem a aplicação Stayaway Covid, que permite rastrear de forma rápida e anónima as redes de contágio por covid-19, sublinhando que é uma ferramenta segura.

Na sessão de apresentação no Porto, António Costa garante que não é necessário ter receio de descarregar a aplicação, até porque é o próprio utilizador que decide se informa ou não que está infetado.

“É segura, não dá para os engraçadinhos fazerem partidas. Só posso dar o alerta de que estou infetado se o médico que detetou me der um código. Não haverá falsos alertas”, explicou.

Uma preocupação partilhada pela ministra da Saúde, que diz que a “identificação de contactos é uma intervenção central em saúde pública”, pelo que considera a Stayaway Covid uma ferramenta "fundamental" para apoiar as autoridades da saúde de forma a acelerar o seu trabalho.

Como funciona?

A StayAway Covid foi desenhada pelo INESC TEC - Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores, Tecnologia e Ciência, e pelo Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto, com outros parceiros, e teve de ser alterada várias vezes para estar de acordo com as regras internacionais.

É uma que avisa os utilizadores que estiveram, nos últimos 14 dias, no mesmo espaço que alguém infetado. A aplicação faz o rastreamento de contactos através da proximidade dos dispositivos.

Em pouco mais de 24 horas, a aplicação já foi descarregada mais de 10 mil vezes.

Marcelo espera que aplicação seja mais valia para todos

O Presidente da República assegura que não teve dúvidas ao dar luz verde para se avançar com a aplicação. Marcelo Rebelo de Sousa diz que todo o cuidado é pouco e que o otimismo deve ser controlado. Diz mesmo que não se pode entrar em euforias.

  • "Quando estou com os avós sinto-me feliz"

    Desafios da Mente

    As investigações apontam que as crianças que têm avós envolvidos na prestação de cuidados podem ter melhores índices de saúde mental, como uma redução do risco de sintomas depressivos e de comportamentos desviantes, bem como melhor desenvolvimento cognitivo. Em Portugal, o Dia dos Avós celebra-se a 26 de julho. A data foi instituída pela Assembleia da República, em 2003.

    Mauro Paulino