Coronavírus

Nem só de vacinas se faz o combate à covid-19. Há 300 tratamentos em testes

Alkis Konstantinidis

Investigadores estão a desenvolver medicação e outro tipo de tratamentos para combater o vírus.

Saiba mais...

Mais de 300 tratamentos contra a covid-19 estão a ser estudados ou testados em pessoas em todo o mundo, incluindo antivirais, anti-inflamatórios e plasma sanguíneo convalescente, anunciou esta quinta-feira a federação internacional que representa a indústria farmacêutica.

Em comunicado, a Federação Internacional de Fabricantes e Associações Farmacêuticas (IFPMA, na sigla em inglês) adianta que 22 farmacêuticas estão envolvidas em 81 ensaios clínicos de medicamentos - novos ou antigos - para a covid-19, como antivirais, anti-inflamatórios, plasma sanguíneo de doentes recuperados e anticorpos monoclonais (anticorpos produzidos em laboratório).

A IFPMA promoveu hoje, a partir da sua sede, em Genebra, na Suíça, uma videoconferência sobre os avanços na terapêutica contra a covid-19, com a participação dos líderes de algumas das maiores multinacionais farmacêuticas, como Pfizer, Roche, Gilead Sciences e MSD.

Segundo a IFPMA, as empresas associadas estão "totalmente comprometidas" em divulgar com "transparência" os resultados dos testes clínicos, "sejam bons ou maus".

Os testes, que decorrem em três a quatro fases, visam comprovar a eficácia e segurança dos medicamentos no tratamento de doentes com covid-19.

O presidente da Federação Internacional de Fabricantes e Associações Farmacêuticas, David Ricks, disse que a indústria farmacêutica "continua empenhada" em garantir que os fármacos serão "disponibilizados e acessíveis a todos os doentes que deles necessitarem".

Para o diretor-geral da IFPMA, Thomas Cueni, "dificilmente haverá uma fórmula mágica para todos contra a covid-19", mas tal não deve servir de "desculpa" para não se aprovar diligentemente "novos tratamentos ou vacinas".

  • "Quando estou com os avós sinto-me feliz"

    Desafios da Mente

    As investigações apontam que as crianças que têm avós envolvidos na prestação de cuidados podem ter melhores índices de saúde mental, como uma redução do risco de sintomas depressivos e de comportamentos desviantes, bem como melhor desenvolvimento cognitivo. Em Portugal, o Dia dos Avós celebra-se a 26 de julho. A data foi instituída pela Assembleia da República, em 2003.

    Mauro Paulino