Coronavírus

Covid-19. Brasil registou mais de 40 mil novos casos nas últimas 24 horas

Pilar Olivares

Governo brasileiro criou esta quinta-feira um grupo de trabalho para coordenar a aquisição e a distribuição de vacinas.

Especial Coronavírus

O Brasil chegou esta quinta-feira aos 129.522 mortos e 4.238.446 casos de infeção pelo novo coronavírus, informou o executivo, acrescentando que a taxa de letalidade da doença no país está fixada em 3,1%.

Desse total, 983 mortos e 40.557 novos infetados foram contabilizados nas últimas 24 horas no país sul-americano, que ocupa a segunda posição na lista de nações com maior número de mortos e a terceira com mais casos.

Desde o início da pandemia, que foi oficialmente registada no país em 26 de fevereiro, o Brasil já registou a recuperação de 3.497.337 de pacientes infetados com o novo coronavírus, sendo que 611.587 permanecem sob acompanhamento médico.

De acordo com o último boletim divulgado pelo Ministério da Saúde, a taxa de incidência da covid-19 no país é hoje de 61,6 óbitos e de 2.016,9 casos por cada 100 mil habitantes.

São Paulo é o foco da pandemia no Brasil

São Paulo, o estado mais rico e populoso do país, com cerca de 44 milhões de habitantes, é o foco da pandemia em território brasileiro, totalizando 874.754 pessoas diagnosticadas com o novo coronavírus e 32.104 mortos.

Seguem-se a Bahia, com 277.327 infetados e 5.818 vítimas mortais, Minas Gerais, com 242.533 diagnósticos e 6.009 mortes, e o Rio de Janeiro, que soma 234.813 casos e 16.871 óbitos.

Governo cria grupo de trabalho para coordenar a aquisição e a distribuição de vacinas

Quando estão suspensos os testes da vacina desenvolvida pela Universidade de Oxford em parceria com a farmacêutica AstraZeneca, o Governo brasileiro criou esta quinta-feira um grupo de trabalho interministerial para coordenar a aquisição e a distribuição de vacinas "com qualidade, eficácia e segurança comprovadas" contra o novo coronavírus.

Segundo a medida, que foi publicada hoje em Diário Oficial da União (DOU), caberá ao grupo "coordenar as ações governamentais relativas à aquisição, ao registo, à produção e à distribuição de vacina com qualidade, eficácia e segurança comprovadas contra a covid-19, e colaborar no planeamento da estratégia nacional de imunização voluntária", contra a doença.

No final de agosto, o Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, afirmou que "ninguém pode obrigar ninguém a tomar vacina".

Atualmente no Brasil, um dos três países mais afetados pela pandemia em todo o mundo, estão a ser realizados testes com as vacinas desenvolvidas pela multinacional Johnson & Johnson, Reino Unido (AstraZeneca e Universidade de Oxford), China (Sinovac Biotech) e consórcio BioNTech (Alemanha) e Wyeth/Pfizer (Estados Unidos).

Além disso, o Governo do estado do Paraná, na fronteira do Brasil com Argentina e Paraguai, aguarda autorização das autoridades sanitárias para começar a testar a vacina russa Sputnik V em humanos.

A empresa brasileira de medicina diagnóstica Dasa também anunciou na quarta-feira que uma vacina sintética desenvolvida pela farmacêutica Covaxx, com bons resultados iniciais, será testada em cerca de 3.000 voluntários no Brasil.