Coronavírus

Relatório da Ordem dos Médicos modificou "perceção que a sociedade tinha sobre o que acontecia nos lares"

A análise de Alexandre Lourenço, Presidente da Secção Regional Sul da Ordem dos Médicos, sobre o surto no lar de Reguengos de Monsaraz.

Especial Coronavírus

O presidente da Secção Regional Sul da Ordem dos Médicos, Alexandre Lourenço, afirmou na Edição da Noite da SIC Notícias que "o relatório da Ordem dos Médicos modificou alguma coisa em relação à perceção que a sociedade tinha sobre o que acontecia nos lares e sobre o efeito da pandemia nos lares".

Nenhum dos outros relatórios "tem os factos clínicos. O relatório da Ordem dos Médicos é o único que versa exclusivamente os atos clínicos", reforçou.

Os lares têm de ser o "alvo principal", uma vez que é onde se concentram os doentes mais idosos e mais frágeis.

Covid-19: ministras da Saúde e da Segurança Social ouvidas na AR sobre surtos em lares

As ministras da Segurança Social, Ana Mendes Godinho, e da Saúde, Marta Temido, vão ser ouvidas esta quarta-feira no Parlamento sobre os surtos de covid-19 ocorridos em lares de idosos, como o que ocorreu em Reguengos de Monsaraz.

As governantes irão prestar esclarecimentos numa audição conjunta nas comissões parlamentares de Saúde e de Trabalho e Segurança Social na sequência de requerimentos apresentados pelo CDS-PP, PSD e pelo Pessoas-Animais-Natureza (PAN), que foram aprovados por unanimidade no passado dia 3 de setembro pela Comissão de Trabalho e Segurança Social.

No seu requerimento, o PSD diz que "a incapacidade que o Governo tem revelado em prevenir e combater recorrentemente a ocorrência de surtos em lares é gravíssima" e acrescenta que "a desresponsabilização e a desvalorização das gravíssimas ocorrências que culminaram na morte de 18 pessoas num lar de Reguengos de Monsaraz é politicamente incompreensível e humanamente inaceitável".

Surtos de Covid-19 nos lares de idosos. Ministras rejeitam falta de planeamento

A ministra da Saúde, Marta Temido, e a ministra da Segurança Social, Ana Mendes Godinho, estão esta quarta-feira no Parlamento para prestar esclarecimentos sobre os surtos de covid-19 nos lares de idosos.

As ministras elencaram todas as medidas adotadas pelo Governo desde março e rejeitaram que tenha havido falta de preparação.

Ana Mendes Godinho diz mesmo que a prioridade desde março tem sido definir procedimentos de segurança a adotar pelas instituições, testar os funcionários, distribuir equipamento de proteção individual e reforçar o recrutamento de meios humanos. Este último tem-se revelado uma das maiores dificuldades.

“Para Reguengos contactamos 670 pessoas e só conseguimos mobilizar 35”, revelou a ministra.