Coronavírus

Madrid em estado de emergência. Sete mil polícias controlam circulação e saídas 

Capital é a região espanhola mais afetada pela pandemia.  

Especial Coronavírus

O Governo espanhol declarou esta sexta-feira o estado de emergência em Madrid e nos oito municípios da capital espanhola.

A medida tem como objetivo travar a pandemia na região mais afetada pela covid-19.

Mais de 7 mil polícias controlam saídas

Mais de 7 mil polícias e guardas civis controlam já a rede viária e os principais pontos de saída. Têm ordens para aplicar multas a quem não tiver motivos válidos para sair da área de residência.

Os agentes foram destacados logo depois da declaração de emergência na região mais afetada pela pandemia.

Decisão criticada

A decisão foi de imediato criticada pelo Governo da Comunidade Autónoma de Madrid, controlado politicamente pelos conservadores do PP em aliança com a extrema-direita. A presidente Isabel Ayuso queixa-se de ser ignorada pelo executivo socialista.

Espanha com 241 mortes e 12.788 novos casos de covid-19

Espanha registou esta sexta-feira 12.788 novos casos de covid-19, dos quais 18% em Madrid, elevando para 861.112 o número total de infetados até agora no país, segundo números divulgados pelo Ministério da Saúde espanhol.

Por outro lado, as autoridades contabilizaram mais 241 mortes com a doença nas últimas 24 horas, quase o dobro das verificadas na quinta-feira, aumentando o total de óbitos para 32.929.

Madrid continua a ser a comunidade autónoma com o maior número de novas infeções, tendo adicionado mais 2.345 casos aos números totais de quinta-feira, elevando o total para 261.112.

  • 2:37
  • Marcelo Rebelo de Sousa: aprender a perder para depois ganhar o país

    Presidenciais

    Marcelo Rebelo de Sousa foi um predestinado. Nasceu e cresceu à boleia da ditadura, mas a sua luta foi pela democracia. Parecia não alimentar a vontade de alcançar altos cargos políticos e chegou mesmo a invocar o nome de Deus em vão: "Nem que Cristo desça à Terra!", dizia Marcelo. Declarou também que dez anos como Presidente da República era muito tempo. Mas ei-lo de novo a contrariar-se e a seguir o caminho que já lhe vinha a ser apontado.

    Ana Luísa Monteiro