Coronavírus

Portugueses confiam menos na resposta das autoridades à pandemia 

De acordo com a sondagem SIC/Expresso, a DGS e o primeiro-ministro sofreram uma quebra nos níveis de confiança. 

Especial Coronavírus

Desde março que os portugueses estão cada vez menos confiantes na resposta das principais autoridades à pandemia do novo coronavírus.

É o que revela o estudo do ICS e do ISCTE feito para a SIC e para o Expresso, que atribuiu à Direção-Geral da Saúde e ao primeiro-ministro as quebras de confiança mais acentuadas.

No caso da Direção-Geral da Saúde, os números mostram que há quase tantos inquiridos que não confiam, como os que tendem a confiar na resposta da DGS. Mas é no gráfico da evolução desde março que se percebe que o nível de confiança caiu de forma substancial. Em seis meses, mais do que duplicou a percentagem dos inquiridos mais descrentes na resposta da autoridade de saúde.

No caso do primeiro-ministro, a maioria está algo ou muito confiante na prestação, mas a comparação com março mostra uma diminuição expressiva desse grau de confiança e uma quase duplicação dos inquiridos que tendem a desconfiar da resposta dada pelo chefe do Governo.

Também Marcelo Rebelo de Sousa regista uma quebra nos níveis de confiança que lhe foram atribuídos no início da pandemia. No entanto, a descida é menor.