Coronavírus

Estudo mostra que pandemia aumentou de forma exponencial casos de ansiedade

Canva

As pessoas desempregadas ou sem parceiro são as que se sentem mais sós, segundo os investigadores.

Especial Coronavírus

O aumento de casos da covid-19 tem um efeito exponencial nos casos de ansiedade num país, indica um estudo publicado esta terça-feia pelo Instituto dinamarquês de pesquisa sobre a felicidade, em plena segunda vaga na Europa.

"Com o aumento dos casos de coronavírus, as pessoas interrogadas revelaram-se mais ansiosas, desgostosas, e menos confiantes, felizes e relaxadas. O impacto sobre a ansiedade foi mais pronunciado", de acordo com o estudo intitulado "O bem-estar na era da covid-19".

Entre abril e julho os investigadores interrogaram 3.211 pessoas na maioria originárias do Reino Unido e dos Estados Unidos, para de seguida relacionarem as suas respostas com as estatísticas de casos de contaminação com o novo coronavírus.

Por milhão de habitantes, e por cada 100 novos casos, 7.200 pessoas tornaram-se ansiosas, conclui o estudo.

A solidão associada ao confinamento e as medidas de distanciamento social motivaram os efeitos mais dramáticos sobre o bem-estar durante os primeiros meses da pandemia.

Estes efeitos parecem atingir em particular os jovens, pelo facto de quase 32% das pessoas entre 18 e 24 anos terem declarado sentir-se sós, enquanto que apenas 16% dos maiores de 64 anos exprimiram o mesmo sentimento.

Sem surpresa, as pessoas desempregadas ou sem parceiro são as que se sentem mais sós, segundo os investigadores.

Por sua vez, a principal preocupação das pessoas interrogadas é a crise económica relacionada com a situação sanitária, citada por 62% dos inquiridos. O medo de perder um próximo devido ao vírus é menos frequente (43% do total), mas esta preocupação contribuiu para agravar o nível de infelicidade dos participantes neste estudo.

"Recentemente, uma parte menos importante, mas crescente da atenção, foi dirigida para as consequências da pandemia em termos de bem-estar", sublinha o instituto no seu relatório.

Em outubro, a Organização Mundial da Saúde (OMS) tinha advertido que a pandemia provocaria um "impacto devastador" sobre a saúde mental à escala mundial.

O estudo dinamarquês também demonstra que o consumo mediático desempenha uma função no bem-estar da cada um: "As pessoas interrogadas que se informam sobre a covid-19 através de sites na rede digital e páginas 'online' são mais suscetíveis de estarem inquietas face às que optam por outras plataformas mediáticas", como os jornais tradicionais, notam os investigadores.

O instituto apela aos jornalistas, políticos e público a "terem estas dinâmicas em mente nos próximos meses durante a criação, promoção e consumo dos media de informação".

A pandemia de covid-19 provocou pelo menos 1.263.890 mortos em mais de 50,9 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 3.021 pessoas dos 187.237 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

  • O primeiro dia de Web Summit 

    Web Summit

    Acompanhe aqui as palestras do palco principal. Neste primeiro dia, passam pelo palco nomes como Paddy Cosgrave, CEO e fundador da Web Summit, o primeiro-ministro António Costa, Ursula von der Leyen, presidente da Comissão Europeia, ou a atriz Gwyneth Paltrow.

    Em Direto

    SIC Notícias