Coronavírus

Covid-19. "É preciso garantir que Portugal não tenha uma terceira vaga no início do próximo ano" 

Ricardo Batista Leite, médico e deputado do PSD, esteve da Edição da Tarde, da SIC Notícias.

Especial Coronavírus

Ricardo Batista Leite considera que a segunda vaga da pandemia de covid-19 em Portugal não foi "preparada adequadamente" e que os doentes não covid estão "a ser deixados para trás".

O deputado do PSD considera que as pessoas estão preocupadas com "uma segunda vaga em crescimento sem fim à vista" e que, neste momento, é preciso reduzir drasticamente o número de novos casos no país.

Em entrevista na Edição da Tarde, da SIC Notícias, Ricardo Batista Leite faz uma comparação entre a situação de Portugal com a da Grécia e de Israel, criticando a comunicação feita pelo Governo e as autoridades de saúde portugueses.

"Comunicação falhou redondamente pela falta de coerência e pela falta de consistência"

O médico diz ainda que é preciso garantir que Portugal não tenha uma terceira vaga no início do próximo ano, apoiando a testagem generalizada da população para evitar essa situação.

Ricardo Batista Leite fala num "sufoco económico" e afirma:

"Não há forma de salvar a economia sem controlar a pandemia."

O social-democrata defende que o sistema de saúde tem de "ser usado como um todo" e não se pode cair "no mesmo erro" de "roubar camas de cuidados intensivos" a doentes não covid para dar a doentes covid. Defende um acordo global em que o Serviço Nacional de Saúde recorra aos serviços privados e sociais para "não comprometer a resposta aos doentes não covid".

Portugal com mais 82 mortes e 4935 novos casos de Covid-19

A Direção-Geral da Saúde (DGS) anunciou no boletim diário desta quarta-feira que há mais 82 mortes e 4935 novos casos de Covid-19 em Portugal. No total, o país regista 3103 vítimas mortais e 192.172 infetados pelo novo coronavírus, desde o início da pandemia.

Nas últimas 24 horas estão mais 9 doentes internados nas Unidades de Cuidados Intensivos, totalizando 391. Em relação aos internamentos em enfermaria estão 2785 pessoas internadas, mais 43 do que na terça-feira. Em ambos os casos, tratam-se de novos máximos desde o início da pandemia.

A DGS revela que estão ativos 78.716 casos de infeção, mais 1378 do que na terça-feira. Também nas últimas 24 horas foram dados como recuperadas 3475 pessoas, num total de 110.353 desde o início da pandemia.