Coronavírus

Covid-19. Espanha com mais de 19 mil novos casos e 349 mortes

QUIQUE GARCIA

Dados das últimas 24 horas.

Especial Coronavírus

A Espanha registou hoje 19.096 novos casos de covid-19, elevando para 1.417.709 o total de infetados no país desde o início da pandemia, segundo números divulgados pelo Ministério da Saúde espanhol.

As autoridades sanitárias também contabilizaram hoje mais 349 mortes atribuídas à covid-19, passando o total de óbitos para 40.105.

Deram entrada nos hospitais com a doença nas últimas 24 horas 2.394 pessoas, das quais 426 na Andaluzia, 424 na Catalunha e 253 em Madrid.

Em todo o país há 21.051 pessoas hospitalizadas com a covid-19, o que corresponde a 17% das camas, das quais 3.093 pacientes em unidades de cuidados intensivos, o que corresponde a 32% das camas desse serviço.

O nível de incidência acumulada em Espanha estabilizou hoje nos 514 casos diagnosticados (menos 10 do que na terça-feira) por 100.000 habitantes nos últimos 14 dias (menos quatro do que na segunda-feira), sendo as regiões com os níveis mais elevados a de Ceuta (1.071), Melilla (1.013), Aragão (948), Navarra (866), Castela e Leão (846), Rioja (799), País Basco (787) e Catalunha (642).

A partir de 23 de novembro próximo, a Espanha passa a exigir aos viajantes internacionais de países de risco um teste PCR negativo realizado 72 horas antes da entrada num aeroporto ou porto do país.

Agências de viagens, operadores turísticos e empresas de transporte aéreo ou marítimo e qualquer outro agente que venda bilhetes devem informar os passageiros de países de risco cujo destino final seja um aeroporto ou porto espanhol desta nova exigência.

IVA sobre as máscaras será reduzido

O Governo espanhol anunciou hoje que o IVA sobre as máscaras será reduzido da taxa geral de 21% para a taxa super-reduzida de 4%, e que o preço máximo autorizado de venda também será diminuído.

A ministra das Finanças, María Jesús Montero, explicou que tinha tomado esta decisão depois de a Comissão Europeia ter confirmado na terça-feira "por escrito" que não iria multar a Espanha pela redução da taxa.

O executivo espanhol tinha defendido anteriormente que não podia aprovar taxas reduzidas de IVA sobre as máscaras vendidas ao público porque era impedido pelas diretivas europeias, algo que o próprio executivo comunitário confirmou na carta recebida, embora ao mesmo tempo declare que não irá abrir processos sancionatórios, dada a atual situação extraordinária.

  • Não estou de acordo

    Opinião

    Não estou de acordo com métodos medievais para enfrentar uma pandemia. Se os vírus evoluíram, a organização da sociedade também deveria ter evoluído o suficiente para os combater de outra forma. O recolher obrigatório é próprio dos tempos obscuros e das sociedades não democráticas. Proibir as pessoas de circular na rua asfixia a economia e não elimina a pandemia.

    José Gomes Ferreira