Coronavírus

Covid-19. Novas medidas vão ser anunciadas no sábado 

A baixa de Lisboa praticamente sem trânsito.

Armando Franca

Informação avançada pelo gabinete do primeiro-ministro.

O Governo vai anunciar as novas medidas no âmbito de uma eventual prorrogação do estado de emergência, decretado devido à pandemia de covid-19, no sábado, depois da reunião do Infarmed, esta quinta-feira, e do Conselho de Ministros, na sexta-feira.

Através de uma nota do gabinete do primeiro-ministro, é esclarecido que ainda "não foram tomadas quaisquer decisões".

"As medidas a adotar pelo Governo têm de respeitar os limites impostos pelo Decreto do Senhor Presidente da República e este depende da autorização da Assembleia da República e enquadra-se na Lei do Estado de Emergência."

"Assim, hoje à tarde o senhor Presidente da República submeterá ao Governo para parecer o projeto de decreto. Amanhã [sexta-feira], a Assembleia da República reunirá para se pronunciar. E só no sábado o Governo divulgará as medidas que irá adotar em execução do decreto presidencial", salienta-se na mesma nota.

Origem do contágio desconhecida em 81,4% dos casos

A Direção-Geral da Saúde admite dificuldades em obter informação sobre a origem dos contágios por covid-19.

Em 81% dos casos não se sabe onde surgiu o contágio, mas na proporção onde há dados, 60% têm origem em contexto familiar.

A conclusão é da Direção Geral da Saúde que esta manhã apresentou, na reunião do Infarmed, este e outros dados sobre a evolução da pandemia em Portugal, entre o início de outubro e o dia 15 de novembro.

Com base nos novos três patamares de risco, a área do Grande Porto continua a ser a mais afetada, ou seja, tem mais de 960 novos casos por 100 mil habitantes.

Pico de infeções diárias previsto no final do mês

O epidemiologista Manuel do Carmo Gomes estima que o país atinja o pico de novos casos de covid-19 da segunda vaga entre os dias 25 e 30 de novembro, em média com 7 mil novos casos diários.

As previsões apontam para que o pico de mortes seja atingido na segunda semana de dezembro, com cerca de 95 a 100 óbitos por dia.

O epidemiologista esteve presente na reunião no Infarmed, que voltou esta quinta-feira a juntar políticos, especialistas e parceiros sociais.

  • O planeta em que todos vivemos

    Futuro Hoje

    O Planeta Lourenço terá que ser ainda mais simples e eficaz na mensagem. É um risco. Frequentemente, quando me mostram aparelhos ou programas as coisas falham, é o que chamo de síndrome da demonstração. Mas isto acontece na vida real, é assim que vamos fazer.

    Opinião

    Lourenço Medeiros