Coronavírus

Covid-19. Reino Unido vai encurtar a quarentena para quem testar negativo

Uma medida que também ajuda a revitalizar o mercado das viagens.

Saiba mais...

Vários países ponderam aliviar as restrições na época festiva para permitir um Natal o mais normal possível. Um alívio que poderá sobrecarregar os hospitais no início de 2021. Em Inglaterra, a quarentena é reduzida para os viajantes que apresentem um teste negativo.

A partir de dia 15 de dezembro, quem chegar a Inglaterra pode encurtar a quarentena de duas semanas se apresentar um teste negativo cinco dias depois da chegada. Tem de ser marcado antes da viagem, é pago pelos próprio e até à testagem é preciso ficar em isolamento e preencher um formulário para se ser localizado.

Uma medida que também ajuda a revitalizar o mercado das viagens, sobretudo o aéreo, muito afetado pela pandemia.

Alemanha vai prolongar o confinamento

Para permitir um Natal em família, a Alemanha prepara-se para prolongar o confinamento até 20 de dezembro. As restrições têm permitido achatar a curva, mas os números ainda não baixaram. As reuniões permitidas com cinco pessoas serão alargadas a 10 nas celebrações.

Espanha quer limitar encontros na época natalícia

Em Espanha, o Governo quer limitar a seis pessoas os encontros familiares na época natalícia e decretar o recolher obrigatório no ano Novo entre a 01h00 e as 06h00. O estado de emergência e as medidas decretadas pelas comunidades estão a fazer diminuir a taxa de incidência de infeção, mas ainda é grande a pressão nos hospitais.

Macron fala à Nação

Situação idêntica em França, que está em confinamento desde 30 de outubro. O país registou esta segunda-feira o menor número de casos diários em quase um mês. Perante a diminuição do número e de hospitalizações, o presidente Emanuel Macron, que fala esta terça-feira ao país, poderá aliviar algumas restrições.

O Centro Europeu de Controlo de Doenças afirma que os países que levantem as medidas restritivas na época festiva terão um aumento de infeções e irão sobrecarregar os hospitais no início do próximo ano.