Coronavírus

Rússia anuncia eficácia de 95% da vacina Sputnik V contra a covid-19

Tatyana Makeyeva

O Centro de Pesquisas informou que os resultados foram obtidos em voluntários, 42 dias após a injeção da primeira dose.

Especial Coronavírus

A Rússia anunciou hoje que sua vacina Sputnik V contra a covid-19, desenvolvida pelo Centro Nacional de Epidemiologia e Microbiologia Gamaleya em Moscovo, tem uma eficácia de 95% eficaz, segundo resultados preliminares.

Em comunicado, o Centro Nacional de Epidemiologia e Microbiologia Gamaleya e o Fundo de Investimento Direto da Rússia (FIDR) informou que a vacina mostrou, 42 dias após a primeira dose, uma eficácia de mais de 95% e que custará menos de 10 dólares (cerca de oito euros) a dose.

De acordo com dados preliminares da segunda análise, a eficácia da vacina russa após 28 dias é de 91,4%.

Nesse sentido, as análises clínicas mostraram, para uma eficácia de 91,4%, um total de 39 infetados, incluindo voluntários que receberam placebo (31) e aqueles a quem foi administrada a vacina (oito).

No total, 14.095 voluntários receberam vacina e 4.699 placebo, segundo a nota oficial.

Atualmente, cerca de 40.000 voluntários participam da fase três, mais de metade receberam a primeira dose e os restantes a primeira e a segunda.

Durante as análises, os especialistas russos não detetaram reações adversas "imprevistas" à vacina entre os voluntários.

O FIDR observou que o preço, inferior a 10 dólares a dose, é duas vezes menor que as vacinas que usam mRMA, ou seja, a americana Moderna e a Pfizer. Para os cidadãos russos, a vacina é gratuita.

Além disso, a Rússia já lançou a produção da vacina desidratada, baseada na tecnologia de liofilização, o que facilitará significativamente o seu transporte para mercados internacionais, incluindo regiões de difícil acesso e outras de clima tropical.

O primeiro lote de Sputnik V para o mercado externo chegará aos clientes em janeiro de 2021 com base nos acordos já firmados com parceiros estrangeiros.

A Pfizer e a BioNTech anunciaram recentemente que a sua vacina é 95% eficaz na prevenção da covid-19, de acordo com os resultados do seu ensaio clínico.

Também a empresa de biotecnologia anunciou este mês que dados provisórios indicam que a sua vacina tem uma eficácia de 94,5% na redução do risco de contrair a doença.

Na segunda-feira, o laboratório AstraZeneca e a Universidade de Oxford anunciaram que a sua vacina tem uma taxa média de eficácia de 70%.

A pandemia de covid-19 provocou pelo menos 1.388.590 mortos resultantes de mais de 58,6 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

  • "Não sabia como ia acordar. Estava muito assustada"

    Coronavírus

    Rita, Filipa e Andreia conviveram de perto com o coronavírus, cada uma com experiências diferentes. O marido de Andreia esteve internado duas semanas com covid-19 e a filha também esteve infetada, em junho do ano passado. A Rita, a Filipa e a família de ambas estiveram infetadas no último mês. Os sintomas foram ligeiros, mas as preocupações iam além disso. À SIC Notícias, falaram sobre os receios que sentiram e de como ultrapassaram os dias difíceis.

    Exclusivo Online

    Rita Rogado