Coronavírus

Portugal regista 78 mortos e 3.262 casos de Covid-19 nas últimas 24 horas

HUGO DELGADO

O número mais baixo de novos casos diários desde 3 de novembro.

Especial Coronavírus

Portugal registou nas últimas 24 horas mais 3.262 casos de infeção e mais 78 mortes associadas à doença covid-19, segundo o boletim da Direção-Geral da Saúde (DGS) desta segunda-feira.

Desde o início da pandemia morreram em Portugal 4.505 pessoas, dos 298.061 casos de infeção confirmados.

Há menos 11 doentes internados nas Unidades de Cuidados Intensivos, totalizando 525. Em relação aos internamentos em enfermaria, há mais 97 pessoas internadas, totalizando agora 3.342.

A DGS revela que estão ativos menos 224 casos de infeção em relação a domingo, num total de 80.614. Foram dados como recuperados mais 3.408 doentes, 212.942 desde o início da pandemia.

As autoridades de saúde têm agora sob vigilância 81.477 pessoas, mais 1.189.

No que diz respeito aos 3.262 novos casos, o número mais baixo de novos casos desde 3 de novembro, 1.795 registam-se na região Norte, 839 em Lisboa e Vale do Tejo, 407 na região Centro, 148 no Alentejo, 34 no Algarve, 32 nos Açores e 7 na Madeira.

Das 78 mortes a lamentar nas últimas 24 horas, 42 ocorreram na região Norte, 28 em Lisboa e Vale do Tejo, 6 na região Centro e duas no Alentejo.

DADOS POR GÉNERO E FAIXA ETÁRIA

Os casos confirmados distribuem-se por todas as faixas etárias, situando-se entre os 20 e os 59 anos o registo de maior número de infeções.

O novo coronavírus já infetou em Portugal pelo menos 131.564 homens e 161.338 mulheres, de acordo com os casos declarados.

O boletim de hoje refere que há 5.159 casos confirmados de sexos desconhecidos que se encontram sob investigação, uma vez que estes dados não são fornecidos de uma forma automática.

Do total de vítimas mortais, 2.344 eram homens e 2.161 mulheres.

O maior número de óbitos continua a concentrar-se nas pessoas com mais de 80 anos.

Costa convoca partidos e parceiros sociais para reunião no Infarmed na quinta-feira

O gabinete do primeiro-ministro convocou esta segunda-feira os partidos políticos para uma nova reunião sobre a situação epidemiológica da Covid-19 em Portugal no Infarmed, em Lisboa, a partir das 10:00 de quinta-feira.

Para a reunião foram também convocados os parceiros sociais, a Associação Nacional de Municípios Portugueses (ANMP), a Associação Nacional de Freguesias (ANAFRE) e o Patriarcado de Lisboa, disse à Lusa fonte do gabinete de António Costa.

A última reunião sobre a situação epidemiológica, que junta o Presidente da República, o presidente da Assembleia da República, o primeiro-ministro, dirigentes dos partidos com representação parlamentar, parceiros sociais e consleheiros de Estado, entre outros, realizou-se no dia 19 de novembro.

Vacina da Covid-19. Portugal vai receber 22 milhões de doses e idosos são prioritários

Portugal vai receber 22 milhões de doses de vacinas, segundo o comentador da SIC Luís Marques Mendes que, este domingo, revelou no Jornal da Noite o plano de vacinação da Covid-19.

As primeiras doses deverão ser administradas já no próximo mês de janeiro.

A Portugal vão chegar as vacinas da Pfizer, Astrazeneca, Moderna, Johnson & Johnson, Sanofi e Curevac, num total de 22 milhões de doses.

Os idosos vão ser prioritários para a toma da vacina. Ainda não há informações em relação aos idosos com mais de 75 anos, no entanto, Luís Marques Mendes garante que a vacina também é eficaz neste grupo etário.

Moderna pede aprovação de emergência da vacina nos EUA e Europa

A farmacêutica Moderna vai pedir esta segunda-feira uma autorização de emergência, nos Estados Unidos da América e na Europa, para a sua vacina contra a covid-19, depois dos últimos resultados mostrarem uma eficácia de 94,1%.

A Moderna Inc. anunciou ainda que a taxa de eficácia da vacina era consistente entre diferentes idades e género. Para além disto, a vacina demonstrou ser 100% eficaz na prevenção de casos severos da covid-19, a doença que já matou quase 1,5 milhões de pessoas por todo o mundo.

"Acreditamos ter uma vacina que é altamente eficaz. Agora, temos a informação para o provar", disse o chefe do Departamento Médico da Moderna, Tal Zaks, citado pela agência Reuters. "Esperamos ter um papel importante em reverter esta pandemia."