Coronavírus

Covid-19. "O contraponto à vacina é terem a doença" 

Pneumologista Filipe Froes alerta para os riscos de não receber a vacina contra a covid-19.  

Saiba mais...

Filipe Froes, pneumologista e coordenador do gabinete de Crise da Ordem dos Médicos, é a favor da criação de centros de vacinação contra a covid-19, apela aos portugueses para tomarem a vacina e deixa um alerta para o Natal.

No Jornal da Sábado, da SIC Notícias, Filipe Froes fala sobre o plano de vacinação português e compara-o ao alemão. Reconhece que Portugal tem falta de planeamento e pede que se olhe para o modelo alemão, adaptando locais para que as pessoas sejam vacinadas.

O pneumologista alerta para os riscos de não receber a vacina, considerando que não é uma "boa decisão" recusá-la. Sobre o facto de um em cada três portugueses duvidar da eficácia, admite que é legitimo

"É legítimo ter dúvidas, mas também é legítimo procurar esclarecer as dúvidas."

O coordenador do gabinete de crise da Ordem dos Médicos defende que os portugueses devem tomar a vacina contra a covid-19, caso contrário, ficam doentes: "O contraponto à vacina é terem a doença".

Na SIC Notícias, fala sobre a criação de bolhas e os testes rápidos de antigénio, "que são uma grande vantagem, mas têm limitações".

Sobre o Natal, pede que os portugueses sejam responsáveis durante a quadra natalícia: "No Natal, todos temos e queremos ser responsáveis".

"Temos de cumprir estas medidas não porque há fiscalização, mas sim porque estas medidas são essenciais para garantirmos a segurança dos nossos mais próximos."

  • Vamos falar de jejum: era capaz de ficar 16 horas por dia sem comer?

    País

    O jejum intermitente é um regime alimentar que impõe um período de restrição alimentar. Existem vários modelos, mas o mais conhecido é dividido em 16 horas de jejum e oito horas em que pode comer livremente. Os especialistas reconhecem benefícios nesta prática, mas afirmam que a investigação científica ainda é escassa.

    Exclusivo Online

    Filipa Traqueia