Coronavírus

Covid-19. Investigadores no Reino Unido admitem que antiviral Remdesivir seja eficaz

Zsolt Czegledi

Estudo foi publicado na revista científica Nature Communications.

Saiba mais...

Investigadores da universidade britânica de Cambridge apontaram esta segunda-feira o medicamento antiviral Remdesivir como potencialmente eficaz contra o novo coronavírus num estudo publicado na revista científica Nature Communications.

Num caso analisado pelos investigadores, o medicamento foi dado a um paciente com covid-19 que tinha um problema imunológico anterior e os seus sintomas melhoraram, acabando por se curar do vírus.

Na resposta à pandemia, faltam medicamentos antivirais eficazes contra o SARS-CoV-2, o que levou a comunidade científica a depositar esperanças no Remdesivir, concebido para tratar a hepatite C e usado eficazmente em infeções pelo vírus ébola, mas os ensaios clínicos no âmbito da resposta à covid-19 não foram conclusivos.

No entanto, uma equipa clínica da Unidade de Toxicologia de Cambridge fez um novo estudo, justificando que "alguns realizados durante a primeira vaga de infeções podem não ser ideais para avaliar as propriedades antivirais" do Remdesivir, afirmou o investigador James Thaventiran.

"A mortalidade deve-se a uma combinação de vários fatores, que incluem, provavelmente, a replicação viral descontrolada e a resposta do sistema imunitário. Um ensaio clínico que só analise o impacto do Remdesivir na mortalidade terá dificuldade em distinguir estes dois fatores", indicou.

Os investigadores afirmam que é provável que o Remdesivir seja mais eficaz quando tomado no início da infeção, antes de o vírus poder desencadear uma resposta imunitária potencialmente catastrófica.

Para tirar conclusões, concentraram-se num paciente de 31 anos com XLA, uma doença genética que afeta a capacidade de produzir anticorpos e combater infeções.

Depois de 30 dias com sintomas como febre ou inflamação pulmonar, o paciente tomou Remdesivir durante 10 dias e melhorou na capacidade respiratória, febre, náuseas e vómitos que sentia.

Ao mesmo tempo, os médicos verificaram que diminuíram progressivamente os níveis de proteína C reativa, uma substância produzida pelo fígado em resposta à inflamação, e um aumento do número das células imunitárias conhecidas como linfócitos.

Uma semana depois de ter alta, os sintomas regressaram e o paciente voltou a tomar Remdesivir durante 10 dias, registando novamente melhoras.

OMS desaconselhou uso do antiviral em doentes covid

O Remdesivir tinha sido apontado como um possível tratamento para os casos graves de covid-19. Tem sido utilizado para tratar pessoas hospitalizadas em vários países, incluindo Portugal. O Governo chegou mesmo a anunciar a compra de mais de 100 mil frascos, um investimento previsto de 35 milhões de euros.

Em comunicado, a Organização Mundial de Saúde diz que fez uma revisão aos dados científicos. Foram comparados os efeitos de vários medicamentos e incluídos os resultados de ensaios que envolveram mais de 7 mil pessoas internadas com covid-19.

Esta revisão permite aos peritos afirmar que não há provas suficientes de que o tratamento com Remdesivir melhore a sobrevivência ou diminua a necessidade de ventilação. A OMS alerta mesmo para a possibilidade de ocorrerem efeitos secundários.

Em outubro, a organização tinha divulgado os resultados de um estudo que indicavam que o Remdesivir não era eficaz para combater a covid-19.

  • 1:45