Coronavírus

Covid-19. "Consequências de um confinamento serão muito pesadas"

Tiago Correia, professor de Saúde Pública Internacional, no Jornal das 7, na SIC Notícias.  

Saiba mais...

Tiago Correia defende que as eleições presidenciais não devem ser adiadas e considera que as consequências de um novo confinamento serão pesadas.

Na SIC Notícias, o professor de Saúde Pública Internacional diz não se pode perder a noção sobre as prioridades e que, neste momento, a prioridade é salvaguardar o funcionamento das instituições democráticas: "Nós só podemos gerir bem a pandemia, e todos os problemas associados, na circunstância das instituições funcionarem corretamente."

Tiago Correia defende que as campanhas eleitorais e o processo de votação devem ser adequados à situação epidemiológica. Diz que devem ser asseguradas as condições para que as pessoas possam votar em segurança e dá exemplos de possíveis soluções, como o aumento das mesas por cada assembleia ou aumentar para dois os dias possíveis para exercer o direito de voto.

"O ato de votar não comporta riscos mais acrescidos do que outras atividades que temos no nosso quotidiano."

Sobre os números de covid-19 dos últimos dias, reconhece que "não há como fugir ao confinamento". Ainda assim, defende que só deve ser implementado caso haja rutura nos hospitais em todo o país e o grau de descontrolo da pandemia seja verificado em todo os concelhos, e não só em alguns.

"Ninguém toma a decisão de um confinamento geral de ânimo leve", refere, reconhecendo que a medida vai responder ao problema de saúde pública e que será eficaz, mas que as consequências serão "muito pesadas", tanto a nível económico, como social.