Coronavírus

Governo decide fechar escolas a partir de sexta-feira

MIGUEL A. LOPES

Todos os estabelecimentos de ensino serão abrangidos.

Saiba mais...

O Governo vai decidir esta quinta-feira, em Conselho de Ministros, o encerramento de todos os estabelecimentos de ensino, do Básico ao Superior, com efeitos a partir de sexta-feira, disse à agência Lusa fonte do executivo.

"A informação que o Governo recebeu na quarta-feira, após reunião com epidemiologistas, foi considerada muito relevante e determinante para a decisão, tendo em conta o crescimento da variante britânica do novo coronavírus em Portugal", salientou a mesma fonte.

Com esta medida, o objetivo principal do Governo, "é isolar todo o sistema escolar", já que, "não havendo aulas, evita-se que as pessoas sejam forçadas a sair de casa". Os pormenores das medidas de agravamento do confinamento geral serão comunicados esta quinta-feira no final da reunião do Conselho de Ministros.

Também esta quarta-feira, António Costa reuniu-se, por videoconferência, com a ministra da Saúde, Marta Temido, a ministra da Presidência, Mariana Vieira da Silva e o ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, para discutir o assunto do encerramento das escolas.

Para além do encerramento das escolas, o Governo vai ainda analisar em Conselho de Ministros a “alarmante progressão” da epidemia em Portugal, com particularidade para a variante britânica do novo coronavírus.

"Esta quinta-feira reuniremos o Conselho de Ministros, analisaremos todas estas informações e decidiremos em conformidade, com a certeza de que a nossa prioridade é salvar vidas e controlar a pandemia", escreveu António Costa na sua conta de Instagram.

Instagram

Marta Temido tinha admitido essa possibilidade

Marta Temido admitiu, esta quarta-feira, que existe a possibilidade de fechar todas escolas de imediato devido ao aumento de novos casos covid-19. A decisão será tomada no Conselho de Ministros, agendado para esta quinta-feira, disse ainda a ministra da Saúde em entrevista à RTP3.

"A situação mudou, agravou-se", disse a ministra da Saúde. Quando questionada se o encerramento das escolas estava em cima da mesa do Conselho de Ministros, Marta Temido respondeu "sim". Marcelo Rebelo de Sousa reagiu entretanto à resposta da ministra, considerando ser "uma boa solução". "Como imagina eu já calculava", disse ainda o Presidente da República em entrevista ao Porto Canal.

A ministra da Saúde disse ainda que foi que a ponderação sobre deixar as escolas abertas está relacionada com "a sua imprescindibilidade para a vida das gerações futuras".

"Sob o ponto de vista mais cómodo, a opção do encerramento poderia ser até, eventualmente, mais fácil de ser tomada. Mas a questão é que tem um peso e impacto enorme", reforçou.

Durante o dia, Marta Temido e Mariana Vieira da Silva, ministra da Presidência, participaram numa reunião com epidemiologistas para avaliar o impacto do fechar as escolas no controlo da pandemia. Nessa reunião, os especialistas mostraram que houve "alterações ao que eram as estimativas anteriores o que obriga a novas reflexões sobre medidas a tomar".

"Essas medidas que foram hoje [quarta-feira] acertadas entre alguns ministros como possíveis, amanhã serão discutidas em Conselho de Ministros e depois serão transmitidas pelo primeiro-ministro aos portugueses", disse a ministra.

Marcelo falou sobre o fecho de escolas numa escola de Lisboa

Também Marcelo Rebelo de Sousa tinha dito, durante uma ação de campanha, que a decisão sobre a interrupção do ensino presencial seria conhecida “entre hoje e amanhã”.

O Presidente da República falava perante cerca de 50 alunos no auditório da Escola Secundária Pedro Nunes, em Lisboa, numa ação de campanha como candidato às eleições presidenciais do próximo domingo.

Segundo o chefe de Estado, o Governo irá ponderar "se se deve esperar até à sessão com os epidemiologistas marcada para terça-feira" para tomar uma decisão sobre a manutenção ou não da abertura de escolas.

Testes rápidos nas escolas dos concelhos mais afetados pela covid-19 já começaram

O Governo marcou presença no arranque de uma campanha anunciada em novembro pela Direção-Geral da Saúde.

Por agora são os alunos do secundário a ser testados e em caso de surto os testes são alargados aos restantes graus de ensino.

Os testes antigénio permitem detetar em minutos a infeção pelo coronavírus.

  • 1:32