Coronavírus

Covid-19. Israel regista quebra de 60% no número de internados um mês após início da vacinação 

Oded Balilty

Estudo clínico em Israel aponta para um grau de eficácia da vacina da Pfizer superior ao previsto.

Saiba mais...

Um mês depois de ter começado o processo de vacinação, Israel está a registar uma quebra de 60% no número de hospitalizações de doentes com covid-19, com mais de 60 anos.

A quebra começou a registar-se dois dias depois de ter começado a ser dada a segunda dose da vacina da Pfizer.

De acordo com fontes hospitalares, citadas pelo jornal The Times of Israel, as vacinas estão assim a prevenir casos graves de infeção. Não se sabe, contudo, se o efeito positivo da vacina também está a registar-se entre pacientes com sintomas ligeiros.

Vacina Pfizer eficaz em Israel, com quase 30% da população vacinada

Dados preliminares de um estudo clínico em Israel apontam para um grau de eficácia da vacina Pfizer para o Covid-19 superior ao previsto, numa altura em que o país se aproxima dos 30% de população vacinada.

Segundo a Maccabi Healthcare Services, organização independente de prestação de cuidados de saúde, apenas 0,015 por cento das pessoas contraíram Covid-19 na semana após receberem a segunda dose da vacina Pfizer.

Anat Ekka Zohar, responsável pelo estudo, afirmou ao Times of Israel que os resultados "são muito bons" e, se a tendência se mantiver, "pode ser que a vacina seja mais eficaz do que apurou a Pfizer durante os ensaios clínicos".

Os dados preliminares do estudo israelita indicam que, de 128.600 pessoas vacinadas, apenas 20 contraíram o coronavírus.

Zohar sublinhou que a informação é "muito preliminar", mas também importante "já que todo o mundo está a prestar atenção a Israel para receber informação sobre a eficácia da vacina".

Segundo a base de dados estatística Our World in Data, Israel lidera de longe a vacinação a nível global, com um total de 3,83 milhões de doses administradas, à frente dos Emirados Árabes Unidos com 2,57 milhões de doses.