Coronavírus

Covid-19. Alguns deputados e titulares de órgãos de soberania recusam ser vacinados nesta fase

Pedro Nunes

É o caso do presidente do CDS, de João Cotrim de Figueiredo e de Cristóvão Norte, do PSD.

Saiba mais...

Há vários deputados e titulares de órgãos de soberania a recusarem tomar a vacina contra a covid-19 na fase prioritária de titulares de órgãos de soberania.

Francisco Rodrigues dos Santos, presidente do CDS, e João Cotrim de Figueiredo, líder da Iniciativa Liberal, dizem que não querem ser incluídos no grupo prioritário de vacinação.

Em nota enviada ao presidente da Assembleia da República, o deputado da Iniciativa Liberal diz que cede a vacina a um profissional de saúde que ainda não tenha sido vacinado.

Também Cristóvão Norte, do PSD, afirma, no Twitter, que não quer ter prioridade. Escreve que não é idoso nem doente e que a função que exerce não acarreta riscos acrescidos de infeção.

No entanto, Cristóvão Norte reafirma que considera imprescindível que o Presidente da República, o primeiro-ministro e membros do Governo sejam vacinados nesta fase.

Em entrevista à SIC Notícias, reafirma que é a favor da vacinação contra a covid-19 e que quer ser vacinado, mas apenas depois dos grupos de risco e dos profissionais que estão na linha da frente do combate à pandemia.

Vacinação começa na próxima semana

Os titulares de órgãos de soberania, deputados, funcionários da Assembleia da República, membros dos órgãos das Regiões Autónomas e presidentes de câmara, enquanto responsáveis da proteção civil, vão começar a ser vacinados na próxima semana.

De acordo com um despacho, emitido na segunda-feira pelo primeiro-ministro e a que o Diário de Notícias (DN) teve acesso, também a Provedora de Justiça, os membros do Conselho de Estado e a magistratura do Ministério Público vão começar a ser vacinados na próxima semana.

O primeiro-ministro, António Costa, terá já enviado as "cartas aos órgãos de soberania para que estabeleçam as prioridades para inoculação em cada um dos serviços".

"De modo a que se possa programar com precisão este processo é essencial definir, entre estes titulares, a indispensável ordem de prioridade, tendo em conta a limitada quantidade de doses disponíveis em cada semana", especifica António Costa na mensagem enviada ao presidente da Assembleia da República, Ferro Rodrigues, a que o DN teve acesso.

Além deles, bombeiros, forças de segurança e maiores de 50 anos com doenças de risco começam a ser vacinados na próxima semana. A meta do Governo deverá ser cumprida, numa altura em que a vacinação dos lares está na reta final.