Coronavírus

Portugal já recebeu quase 700 mil doses de vacinas contra a covid-19

Portugal deverá receber, no primeiro trimestre de 2021, 2,5 milhões de doses em vez das 4,4 milhões inicialmente previstas.

Saiba mais...

A ministra da Saúde, Marta Temido, e Luís Goes Pinheiro, presidente dos Serviços Partilhados do Ministério da Saúde (SPMS), fizeram esta segunda-feira um balanço da forma como está a decorrer a vacinação contra a covid-19 em Portugal.

Entrega de vacinas em Portugal

Em relação às entregas de vacinas pelas diversas farmacêuticas, a ministra da Saúde esclareceu que Portugal recebeu até sexta-feira 694.800 doses, das quais 42.900 foram encaminhadas para as regiões autónomas dos Açores e da Madeira. A estes números acrescem ainda 104.130 doses da vacina da Pfizer/BioNTech recebidas já hoje, estando também prevista uma remessa da vacina da AstraZeneca com 93.600 doses para 19 de fevereiro.

Por outro lado, Marta Temido salientou a evolução positiva face à semana anterior das perspetivas de entrega das vacinas até ao final do primeiro trimestre.

"Temos hoje a expectativa de mais vacinas no primeiro trimestre do que tínhamos há oito dias. Recordo que estimávamos 1,9 milhões e hoje já estamos a estimar 2,5 milhões de uma quantidade de 4,4 milhões de doses contratualizadas para o primeiro trimestre", frisou, acrescentando:

"Há aqui uma aproximação ao plano de vacinas contratadas, mas não está ainda totalmente confirmado, vai sendo confirmado praticamente semana a semana".

De acordo com os números avançados pela ministra após a reunião com a taskforce coordenada pelo vice-almirante Gouveia e Melo e com o primeiro-ministro, para esta semana está prevista a "administração de 143 mil doses", com um "número significativo" de marcações para pessoas acima dos 80 anos ou entre os 50 e 79 anos e uma das quatro comorbilidades, além de "27.500 segundas doses para completar ciclos de vacinação" contra a covid-19.

Vacinação em Portugal

Marta Temido referiu que 533.070 doses de vacina já foram administradas desde o início da vacinação. A ministra revelou também que, tal como o primeiro-ministro, já recebeu esta manhã a primeira dose da vacina.

"Até hoje às 13:00 foram já feitas 533.070 inoculações; dessas cerca de 533 mil, 333 mil correspondem a primeiras doses e 200 mil a segundas doses. Abrangem residentes e profissionais em estabelecimentos residenciais para idosos, profissionais de saúde, pessoas com mais de 80 anos ou entre 50 e 79 anos e uma das comorbilidades identificadas e profissionais de serviços essenciais - foi assim que já foram vacinados alguns titulares de órgãos de soberania e eu própria fui hoje vacinada ao final da manhã", afirmou.

Marta Temido vincou que "a cobertura vacinal estimada em Portugal contra a covid-19 é de 2,02% da população residente no continente", o que se traduz em 5,40 doses de vacina por 100 pessoas residentes no continente. Porém, a governante reiterou que "não há motivo nenhum neste momento" para considerar que o país não vai cumprir a meta de vacinar 70% da população contra a covid-19 até ao final do verão.

Relativamente à testagem, a média diária de testes em fevereiro foi de 39 mil, um número inferior ao de janeiro, mas superior aos de novembro e dezembro, referiu Marta Temido.

TIAGO PETINGA

A página do Especial Vacinar Portugal

Todos os contactos com um caso positivo passam a ser testados à covid-19

Nos espaços que juntem mais pessoas, como escolas, prisões, fábricas ou construção civil passam a ser feitos testes rápidos de 14 em 14 dias, mesmo que não tenham sido detetados casos positivos.

A medida aplica-se nos concelhos com mais de 480 infetados por 100 mil habitantes.

A nova norma entrou em vigor às 00:00 desta segunda-feira e surge em grande parte por causa das novas variantes que são mais contagiosas.

Há também outra novidade, a partir de agora todos os contactos com casos positivos passam a ter de fazer testes PCR, incluindo os de menor risco.

A Direção-Geral da Saúde diz que os inquéritos epidemiológicos e os rastreios devem começar até 24 horas depois de um resultado positivo.

  • Vamos falar de jejum: era capaz de ficar 16 horas por dia sem comer?

    País

    O jejum intermitente é um regime alimentar que impõe um período de restrição alimentar. Existem vários modelos, mas o mais conhecido é dividido em 16 horas de jejum e oito horas em que pode comer livremente. Os especialistas reconhecem benefícios nesta prática, mas afirmam que a investigação científica ainda é escassa.

    Exclusivo Online

    Filipa Traqueia