Coronavírus

O que já se sabe sobre o plano de desconfinamento: reabertura sem datas e por critérios

Os números é que vão ditar as regras.

A uma semana de ser conhecido o plano de desconfinamento, parece certo que o país deverá retomar a atividade económica a diferentes velocidades, já em meados de março. Desta vez a reabertura dos diferentes setores não terá datas concretas, mas será feita mediante critérios de saúde pública, como o número de infetados e internamentos.

Escolas podem começar a reabrir ainda este mês

Creches, pré-escolar e primeiro ciclo deverão reabrir as portas ainda este mês, possivelmente na terceira semana. Por ordem crescente seguir-se-ão os restantes graus de ensino. Sendo que os alunos universitários serão os últimos e só deverão retomar as aulas presenciais depois da Páscoa.

Os números é que mandam

Ao contrário do que aconteceu no ano passado, desta vez não deverá existir um calendário pré-definido para a reabertura das diferentes atividades económicas. O jornal Expresso avança que as reaberturas de estabelecimentos comerciais serão autorizadas mediante o cumprimento dos critérios de saúde pública que estão ainda a ser estabelecidos.

A estratégia admite diferentes velocidades pelo país fora. Mediante o número de infetados haverá regiões que poderão continuar com medidas mais restritivas. A ideia passa por traçar um plano onde os números da pandemia ditam as regras, mantendo uma rede que resista até que esteja criada a imunidade de grupo.

Testagem em massa

O plano de desconfinamento contará também com uma nova estratégia de testagem. Nos concelhos que revelem mais de 120 casos por 100 mil habitantes os testes em massa serão usados como tampão.

O principal objetivo do segundo plano de desconfinamento é evitar a existência de um terceiro.