Coronavírus

Acordo para farmacêutica indiana produzir 200 milhões de doses da vacina russa Sputnik V

Sergey Pivovarov

A produção da vacina russa sob este acordo começará no terceiro trimestre deste ano.

Saiba mais...

O Fundo de Investimento Direto Russo (FIDR) e a farmacêutica indiana Stelis uniram-se para produzir um mínimo de 200 milhões de doses da vacina russa contra a covid-19, a Sputnik V, informou hoje o fundo soberano russo.

Estas são doses suficientes para vacinar 100 milhões de pessoas, sublinhou o FIDR, explicando que o acordo foi feito com a ajuda do sócio coordenador do fundo para produção da vacina na Índia, a Enso Healthcare.

A produção da vacina russa sob este acordo começará no terceiro trimestre deste ano, disse o FIDR, acrescentando que a Stelis [divisão do grupo farmacêutico Strides] poderá fornecer mais doses no futuro do que inicialmente estipulado no acordo.

"Os grandes volumes de vacina produzidos em conjunto com a Stelis ajudarão a expandir o acesso à vacina globalmente", disse o responsável do Fundo, Kirill Dmitriev, citado num comunicado.

A vacina russa, que tem eficácia de 91,6% e é administrada em duas doses, já foi registada em 52 países e a última nação a autorizá-la foi as Filipinas, segundo o FIDR.

A vacina russa não foi ainda autorizada na Índia, onde os ensaios clínicos estão em andamento, mas Moscovo procura diversificar as fontes de produção da sua vacina, em face a demanda internacional.

Dada a falta de capacidade de produção na Rússia, o FIDR fechou acordos com uma dezena de empresas farmacêuticas do Brasil, China, Irão, Itália, Sérvia, Coreia do Sul, Cazaquistão e Bielorrússia para a produção nesses países de cerca de 1.400 milhões de doses.

Na Europa, o seu pedido de aprovação está atualmente a ser examinado pela Agência Europeia de Medicamentos (EMA).

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 2,68 milhões de mortos no mundo, resultantes de mais de 121,2 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.