Coronavírus

Portugal avança para a próxima fase do desconfinamento na 2.ª feira. O que muda

Westend61

Há 19 concelhos com maior risco de contágio de covid-19.

Saiba mais...

Ao fim de 79 dias de confinamento obrigatório, o país prepara-se para mais um passo na reabertura progressiva. A segunda fase do desconfinamento arranca esta segunda-feira, com 19 concelhos com maior risco de contágio de covid-19.

Nas escolas, o segundo e terceiro ciclos do ensino básico voltam às aulas presenciais. São milhares de alunos que regressam às escolas. Juntam-se aos do primeiro ciclo e às crianças das creches e pré-escolar que tinham regressado a 15 de março.

Nos séniores, os centros de dia reabrem as suas atividades, assim como os centros de atividades ocupacionais na área da deficiência.

Na economia, os restaurantes com esplanada podem reabrir, com limitação de quatro pessoas por grupo. Reabrem também os espaços comerciais com uma área inferior a 200 metros quadrados e com entrada autónoma e independente para o exterior e ainda as feiras e os mercados.

Dia também para o regresso dos ginásios e academias, mas ainda sem aulas de grupo. A permissão estende-se à atividade física e desportiva de baixo risco, como o ténis, o golfe, o padel, o surf e a natação.

Na cultura, os museus, os monumentos, os palácios, as galerias de arte e as salas de exposição vão tambem abrir portas.

Um desconfinamento a conta-gotas que mantém as regras do uso de máscara e do teletrabalho.

Ginásios preparam reabertura com segurança

Na segunda fase do desconfinamento, uma das novidades é a reabertura dos ginásios, que vivem com expectativa a retoma da atividade.

O setor garante que implementou todas as normas de segurança e reforçou a aposta nas aulas ao ar livre.

Ainda assim, alguns espaços perderam metade dos clientes.

Indíce de transmissibilidade acima de 1 no Algarve

O risco de transmissão do novo coronavírus está a aumentar desde fevereiro. No Algarve já está acima de 1.

O relatório da Direção Geral da Saúde e do Instituto Ricardo Jorge diz que a Páscoa e o desconfinamento podem interferir na situação.

O Presidente da República pede, por isso, aos portugueses para terem atenção aos encontros familiares nesta quadra e espera não ter de voltar atrás nas medidas.