Coronavírus

Os cuidados a ter se for a uma esplanada

Entrevista SIC Notícias

Recomendações de Teresa Leão, investigadora do Instituto de Saúde Pública Universidade do Porto, em entrevista no Jornal das 7.

Teresa Leão, investigadora do Instituto de Saúde Pública Universidade do Porto, apelou, no dia em que Portugal avançou para a segunda fase do desconfinamento, ao reforço de medidas individuais para controlar o contágio do coronavírus.

"Os nossos comportamentos individuais, as nossas escolhas, são aquilo que determina o contágio e o controlo da pandemia", disse.

No Jornal das 7, a responsável sugeriu que se avalie o número de pessoas fora do agregado familiar com quem se vai estar: o objetivo é "tentarmos estar com o menor número possível para que haja menor risco possível de transmissão".

Além disso, a investigadora sugeriu avaliar a densidade de pessoas no local onde vamos estar, como uma esplanada o um parque. A "regra" é: "se estiver densidade muito elevada, não ir". Quanto às distâncias físicas, devem ser mantidas. Se forem muito pequenas nesses locais, a recomendação continua a ser: "não ir".

Teresa Leão defendeu também encontros no exterior, em vez de em casa. No entanto, se o encontro for em casa, a especialista apelou ao uso de máscara. Disse ainda para se evitarem almoços e jantares porque nessas situações o risco de contágio é maior.

Quanto ao uso de máscara, disse que deve ser usada "a maior parte das vezes", como em locais em que passamos por pessoas, em esplanadas ou no local de trabalho, para quem não está em teletrabalho.

"É difícil avaliarmos o risco real de não usarmos máscara", disse.

As novas variantes, a fadiga pandémica e a euforia em relação à vacinação são alguns elementos apontamentos por Teresa Leão, em entrevista na SIC Notícias, que podem contribuir para algum relaxamento em relação às medidas sanitárias em locais públicos.