Coronavírus

Sete Estados-membros já emitem certificados digitais de covid-19 para viajar

Canva

O certificado digital covid-19 da União Europeia deverá estar em pleno vigor a 1 de julho.

Saiba mais...

Sete Estados-membros da União Europeia (UE) já começaram a emitir certificados digitais covid-19, um mês antes da data para a entrada em funcionamento do portal que permite a livre circulação de pessoas, sob condições.

A Bulgária, República Checa, Dinamarca, Alemanha, Grécia, Croácia e Polónia já concluíram os testes técnicos do portal e começaram a emitir e a utilizar os certificados digitais covid da UE, que atestam se um cidadão está vacinado, imunizado após ter contraído a covid-19 ou tem um teste negativo para o vírus.

Estes sete Estados membros ligaram-se hoje ao portal, tendo este sido já testado, com bons resultados, num total de 22 países.

O acordo sobre o certificado digital foi alcançado em 20 de maio, em tempo recorde - dois meses após a proposta da Comissão Europeia --, faltando ainda a aprovação formal pelo Parlamento Europeu e o Conselho da UE, que está sob presidência portuguesa até final deste mês.

O certificado é gratuito, seguro e acessível a todos e está disponível em formato digital ou em papel, permitindo a cada pessoa provar que foi vacinada contra a covid-19, recebeu um resultado negativo num teste ou recuperou de uma infeção.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 3.543.125 mortos no mundo, resultantes de mais de 170,2 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 17.025 pessoas dos 849.093 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

  • Vamos falar de jejum: era capaz de ficar 16 horas por dia sem comer?

    País

    O jejum intermitente é um regime alimentar que impõe um período de restrição alimentar. Existem vários modelos, mas o mais conhecido é dividido em 16 horas de jejum e oito horas em que pode comer livremente. Os especialistas reconhecem benefícios nesta prática, mas afirmam que a investigação científica ainda é escassa.

    Exclusivo Online

    Filipa Traqueia