Coronavírus

Organização Mundial da Saúde assegura eficácia das vacinas contra a variante Delta

Situação da pandemia na Europa.

Saiba mais...

Itália vai pôr fim ao uso obrigatório de máscara em espaços exteriores a partir da próxima segunda-feira. Uma medida já implementada em França, que antecipou a terceira fase do desconfinamento.

França não esperou pela data prevista para levantar as restrições, como o uso obrigatório de máscara no exterior. Nas ruas, a entrada na terceira fase do desconfinamento é vista como um momento digno de registo.

Depois de 15 meses de apertadas medidas, no dia mais longo do ano, multidões encheram as ruas de paris para participar num festival de música.

Itália também dá sinais de avanço. A partir de 28 de junho deixa de ser obrigatório o uso de máscara ao ar livre. É o resultado da tendência decrescente tanto do número de casos como de mortes: 21 nas ultimas horas.

Em sentido contrário, a Rússia registou o número diário mais alto de vítimas mortais desde fevereiro, ao mesmo tempo que enfrenta um novo surto.

O presidente do município de Moscovo diz que o aumento se deve à variante delta, que afeta quase 90% dos novos pacientes e nas ruas muitos questionam a eficácia das medidas e da vacinação. Desde dezembro, apesar da disponibilidade da vacina russa, apenas 13% da população foi vacinada.

Já em Espanha, de acordo com os últimos dados do Governo, pelo menos 30% está completamente vacinada e quase 50% tem pelo menos uma das doses. O avanço da vacinação e a tendência decrescente do número de mortes e de infeções permitiu ao país abrir portas ao turismo, mas com cautelas. Em Palma de Maiorca, os turistas que testem positivo têm de cumprir quarentena num hotel 4 estrelas, de frente para o mar.

No Reino Unido, está a ser avaliada a possibilidade de isentar de quarentena pessoas totalmente vacinadas que cheguem do estrangeiro. No entanto, o primeiro-ministro diz que a prioridade é proteger o país da entrada de novas variantes.

O Reino Unido é um dos 92 países do mundo onde a variante Delta circula, de acordo com a Organização Mundial da Saúde. Ainda assim, no balanço mais recente a organização frisou que as vacinas continuam eficazes contra esta estirpe ao prevenirem a doença grave e a morte.

Veja também: