Coronavírus

Covid-19. Rio de Janeiro autoriza combinação de vacinas diferentes para grávidas

Canva

O Rio de Janeiro será a primeira capital brasileira a adotar a combinação de imunizantes.

A câmara municipal da cidade brasileira do Rio de Janeiro autorizou esta terça-feira que mulheres grávidas que tomaram a vacina da AstraZeneca contra a covid-19 na primeira dose recebam a vacina da Pfizer na segunda aplicação.

A aplicação de vacinas da AstraZeneca foi suspensa para gestantes no Brasil em maio passado por recomendação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), órgão regulador, após relatos de "reação adversa" em grávidas que tomaram o medicamento.

O Rio de Janeiro será a primeira capital brasileira a adotar a combinação de imunizantes.

A novidade foi anunciada oficialmente pelo secretário municipal de Saúde do Rio de Janeiro, Daniel Soranz, na rede social Twitter.

"Seguindo a recomendação do nosso comité: As gestantes que tomaram a primeira dose da vacina AstraZeneca poderão, mediante avaliação dos riscos e benefícios com seus médicos, realizar a segunda dose com a vacina da Pfizer 12 semanas após a primeira dose", escreveu o secretário de Saúde 'carioca', numa mensagem na sua conta pessoal no Twitter.

O Brasil é o país lusófono mais afetado pela pandemia e um dos mais atingidos no mundo ao contabilizar 514.095 vítimas mortais e mais de 18,4 milhões de casos confirmados de covid-19.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 3.925.816 mortos no mundo, resultantes de mais de 181 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.