Coronavírus

Covid-19. Aumento de casos a Norte indica que os festejos de São João foram "fenómeno de supertransmissão"

FERNANDO VELUDO

Óscar Felgueiras acredita que o índice de transmissibilidade, designado Rt, poderá atingir o "máximo do último ano" na região.

Saiba mais...

O crescimento "muito acentuado" do número de novos casos de infeção pelo SARS-CoV-2 a Norte, com "incidência no Porto e arredores", indica ter havido um "fenómeno de supertransmissão", nomeadamente os festejos do São João, revelou esta quinta-feira um especialista.

"Tudo indica ter havido um fenómeno de supertransmissão na semana passada com especial incidência no Porto e arredores", afirmou Óscar Felgueiras, especialista em epidemiologia da Universidade do Porto, apontando os festejos da noite de São João (de 24 para 25 de junho) como a possível data de ocorrência.

Óscar Felgueiras afirmou que a situação será "mais percetível" nos próximos dias, mas que o índice de transmissibilidade, designado Rt, poderá atingir o "máximo do último ano" na região.

"O ritmo de crescimento será próximo ou superior ao máximo do último ano, que se registou em outubro, com o Rt a atingir 1,30", salientou.

Segundo o especialista, é espetável que o número de novos casos de infeção pelo SARS-CoV-2 "aumente durante as próximas duas semanas" e se alastre a toda a região Norte, ainda que na última semana 16 concelhos, maioritariamente do interior, não tenham registado novos casos.

"Neste momento, no país, a situação ainda é dominada pelo que se passa no sul, em particular na região de Lisboa e Vale do Tejo (LVT), mas essa assimetria vai começar a esbater-se", adiantou.

A par de restrições às atuais medidas de desconfinamento, Óscar Felgueiras disse acreditar que o número de pessoas com a vacinação completa na região Norte pode "ajudar particularmente na contenção das hospitalizações", referindo ainda assim que estas vão aumentar.

Óscar Felgueiras afirmou ainda não ser possível "estimar quando vai ocorrer o pico de transmissão" e que, para já, não há qualquer evidência de uma eventual paragem da subida do número de novos casos.

"Não é espectável que a situação se inverta para já", salientou.

Na terça-feira, em declarações à Lusa, o diretor da Unidade Autónoma de Gestão (UAG) de Urgência e Medicina Intensiva do Centro Hospitalar Universitário de São João (CHUSJ) afirmou que aquele recurso sofreu "em poucos dias" um aumento de 40% de casos suspeitos de covid-19, padrão que considerou "explosivo e muito preocupante".

O médico mostrou preocupação com as repercussões dos festejos de São João no Porto e relatou que têm recorrido ao Serviço de Urgência pessoas de outras nacionalidades, uma população que esta quinta-feira o médico descreveu como "sensível do ponto de vista social" e que "está a ser afetada por esta crise".

Já na quarta-feira, em declarações aos jornalistas, Nelson Pereira afirmou ainda que o aumento do número de pessoas que testam positivo à covid-19 mostra que a pandemia está a progredir no Norte.

"Neste momento já não podemos negar que estamos numa 4.ª vaga, de características diferentes, mas real. É o momento de todas as estruturas se coordenarem e verificarem os seus planos de contingência", alertou o médico.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 3.949.567 mortos no mundo, resultantes de mais de 182,1 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 17.096 pessoas e foram confirmados 879.557 casos de infeção, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença respiratória é provocada pelo novo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Veja também: