Coronavírus

Variante Delta está já presente em 98 países. OMS alerta para "um período muito perigoso da pandemia"

Segundo Tedros Adhanom Ghebreyesus, o mundo está atualmente a enfrentar um "período muito perigoso da pandemia", com "cenas terríveis de hospitais sobrelotados" em países com baixa cobertura de vacinação.

Saiba mais...

A variante Delta, predominante em Portugal, já está presente em 98 países, anunciou esta sexta-feira a Organização Mundial da Saúde, alertando que se está perante um "período muito perigoso da pandemia" de covid-19 a nível global.

"A Delta foi detetada pelo menos em 98 países e está a disseminar-se rapidamente em países com baixa e com alta cobertura de vacinas", salientou o diretor-geral da Organização Mundial de Saúde (OMS), em conferência de imprensa virtual partir de Genebra.

Segundo Tedros Adhanom Ghebreyesus, o mundo está atualmente a enfrentar um "período muito perigoso da pandemia", com "cenas terríveis de hospitais sobrelotados" em países com baixa cobertura de vacinação e com a variante Delta, detetada inicialmente na Índia, a "continuar a mutar", o que requer uma avaliação constante com ajustes na resposta de saúde pública.

O responsável da OMS adiantou ainda que solicitou aos líderes mundiais para trabalharem em conjunto, no sentido de garantir que, em julho de 2022, 70% da população mundial esteja vacinada contra o SARS-CoV-2.

"Essa é melhor maneira de controlar a pandemia, de salvar vidas e de levar à recuperação económica global, evitando que as variantes conseguiam se disseminar", defendeu Tedros Adhanom Ghebreyesus, que reitera o objetivo de, em setembro deste ano, ter 10% da população do mundo já vacinada, o que permite proteger os trabalhadores da saúde e os grupos mais vulneráveis.

Para incrementar a vacinação global, o líder da OMS adiantou que estão a ser criadas novas instalações de produção em várias partes do mundo, mas salientou que este objetivo pode ser acelerado com a partilha de conhecimento e de tecnologia por parte das empresas farmacêuticas.

Nesse sentido, Tedros Adhanom Ghebreyesus adiantou que desafiou a BioNTech a Pfizer e a Moderna a partilharem o seu conhecimento para se "poder acelerar o desenvolvimento de novas produções" de vacinas.

Na mesma conferência de imprensa, a epidemiologista Maria Van Kerkhove, responsável técnica da resposta da OMS à covid-19, considerou que a organização "não tem uma bola de cristal para fazer previsões" sobre quanto tempo ainda demorará a pandemia, lembrando que, neste momento, existem quatro variantes de preocupação - Alpha, Beta, Gamma e Delta -, que também estão em circulação em Portugal.

"A trajetória das variantes em cada país depende dos planos que estão a ser implementados", avançou a especialista, ao salientar a necessidade de manter a vigilância, a testagem, o isolamento dos casos, a quarentena dos contactos e uma boa taxa de vacinação, assim como as medidas de proteção individual."Todos estes fatores são parte da equação sobre quando esta pandemia irá acabar", disse.

Veja também: