Coronavírus

Organização junta 17 países europeus para alertar para o "longo covid"

Javier Zayas Photography

"Estima-se que pelo menos 10% dos infetados continuam a apresentar sintomas debilitantes graves por mais de seis meses".

Saiba mais...

Mais de 20 associações de 17 países formalizaram a Long Covid Europe, uma organização para sensibilizar os governos para a situação das pessoas que permanecem com sintomas debilitantes após recuperarem da infeção por SARS-CoV-2.

"Estima-se que pelo menos 10% dos infetados continuam a apresentar sintomas debilitantes graves por mais de seis meses", como fadiga pós infeção, défice neurocognitivo, disfunção do sistema nervoso e dor crónica, estima a Long Covid Europe (LCE), uma organização sem fins lucrativos registada na Bélgica.

Segundo esta rede, os doentes de "longo covid" enfrentam os mesmos problemas "em toda a Europa", caso da falta de consciencialização desta condição clínica, o "acesso inadequado e desigual" a cuidados de saúde e de reabilitação e uma "grave escassez de financiamento para pesquisas" de tratamentos.

A LCE pretende que os governos nacionais reconheçam a "longo covid" como uma crise de saúde pública no âmbito da pandemia, recordando que a Organização Mundial da Saúde (OMS) deve publicar a primeira definição da Sequela Pós-Aguda de SARS-CoV-2 esta semana.

"As associações de doentes continuam a lutar pelo reconhecimento da "longo covid" como uma condição médica fisiológica, salienta a LCE, defendendo ser "urgentemente necessário" uma estratégia de reabilitação universal.

A associação adianta ainda que, "graças aos esforços" de grupos de defesa dos interesses dos doentes britânicos, o governo do Reino Unido desenvolveu um plano que inclui, entre outras iniciativas, o estabelecimento de mais de 80 clínicas dedicadas à "longo covid".

Veja mais: