Coronavírus

Pandemia aumentou casos de depressão e ansiedade nos idosos, jovens e mulheres

José Vaio

José Vaio

Repórter de Imagem

Lúcia Amorim

Lúcia Amorim

Editora de Imagem

O PRR prevê um investimento superior a 1,3 milhões de euros para a área da saúde mental.

Saiba mais...

A pandemia fez aumentar os casos de depressão e ansiedade, que afetam especialmente os idosos, jovens e mulheres. O estudo foi divulgado na revista científica Lancet.

Vai ser preciso mais tempo para perceber o verdadeiro impacto da pandemia na saúde mental, mas as primeiras publicações apontam para um aumento dos casos de depressão e ansiedade, decorrentes de uma mudança radical no nosso dia a dia e na forma de nos relacionarmos.

Um estudo recente da universidade de Queensland, na Austrália, publicado na revista cientifica Lancet, analisou 204 países. Concluiu que os casos de ansiedade aumentaram 28%, os de ansiedade 26%. Este aumento afetou sobretudo as mulheres - dobro em relação aos homens - e os jovens. A realidade portuguesa deve acompanhar esta tendência.

Os idosos também estão entre os mais afetados, sublinha Manuel Esteves, presidente da comissão organizadora das comemorações do Dia da Saúde Mental 2021.

De acordo com os especialistas que debateram o tema esta manhã no Porto, a estratégia para reduzir o impacto da pandemia na saúde mental passa por facilitar o acesso aos cuidados de saúde e estreitar a ligação do utente aos cuidados primários.

O painel abordou a saúde mental e como a pandemia expôs a importância das condições sociais e de habitação,
e a estabilidade familiar e económica.

O Plano de Recuperação e Resiliência prevê um investimento superior a 1 milhão e 300 mil euros para reforçar o SNS na área da saúde mental.

VEJA TAMBÉM: