Saúde Mental

Pandemia afetou desproporcionalmente saúde mental das mulheres

20% da população em idade ativa experiencia transtornos mentais.

A pandemia de covid-19 afetou desproporcionalmente a saúde mental das mulheres (83%), face aos homens (36%), de acordo com os resultados de um estudo divulgado este sábado.

Os dados obtidos a partir do "Índice de Saúde Mental Headway 2023" refletem também o impacto dos distúrbios de saúde mental nas crianças, revelando "uma possível associação entre doenças psicológicas e o abandono escolar". Um em cada três adolescentes que desiste da escola também experiencia uma perturbação mental, de acordo com os autores do trabalho.

O inquérito indica que 20% da população em idade ativa "experiencia transtornos mentais de forma leve a moderada em algum momento da sua vida".

Em documento divulgado com o estudo, frisa-se que o contexto da saúde mental na Europa "já era preocupante" muito antes da pandemia, com mais de 84 milhões de pessoas com problemas de saúde mental e 165.000 mortes anuais devido a doença mental ou suicídio.

"O suicídio é a sexta causa de morte na população, em geral, e a quarta causa de morte na população jovem. Em alguns países, o impacto dos transtornos mentais em jovens é maior do que o de todos os outros problemas de saúde juntos", lê-se no documento divulgado por um grupo privado.

Mulheres grávidas, no período pós-parto ou vítimas de traumas, como aborto espontâneo ou abuso de parceiros, foram consideradas as mais suscetíveis aos impactos psicológicos da pandemia.

O peso das tarefas domésticas e dos cuidados com os filhos também teve um impacto significativo no bem-estar mental das mulheres, com 44% das mulheres com filhos menores de 12 anos a relatar dificuldades nas responsabilidades domésticas, em comparação com apenas 20% dos homens.

À medida que a pandemia avançou, a exposição prolongada dos profissionais de saúde a situações extremamente stressantes e potencialmente traumáticas tornou-os particularmente vulneráveis ao stresse mental e à ansiedade, com impacto a longo prazo na saúde: "Na Europa, 57% dos profissionais de saúde relatou que teve sintomas de stresse pós-traumático durante o pico da pandemia".

A taxa de emprego de pessoas que sofrem de depressão é "muito heterogénea", com taxas a variar entre os 27%, na Roménia, e os 68%, na Alemanha. "No entanto, episódios de absentismo e presenteísmo (corpo presente no local de trabalho, mas mente ausente) são frequentes e o custo da perda de produtividade do trabalho é elevado (igual a 1,6% do PIB europeu)", segundo a mesma fonte.