Crise Climática

Austrália contesta decisão de incluir a Grande Barreira de Coral na lista do património em perigo

UNESCO diz que barreira se está a degradar.

A Austrália já disse que vai contestar a decisão da UNESCO de inscrever a Grande Barreira de Coral na lista do Património Mundial em perigo. A UNESCO diz que a barreira está a degradar-se a um ritmo muito acelerado, por causa das alterações climáticas e do aumento da temperatura dos oceanos.

O Governo australiano diz que a decisão da UNESCO é inaceitável e que a vai contestar em todas as plataformas possíveis. A Austrália não aceita que a Grande Barreira de Coral possa vir a ser integrada na lista de locais que, apesar de serem património da humanidade, estão em perigo.

A decisão da UNESCO ainda terá de ser aprovada pelo comité do património mundial, que se vai reunir em julho na China. Se os peritos considerarem que, de facto, a Grande Barreira de Coral está em perigo isso pode significar uma drástica redução das receitas do turismo geradas, todos os anos, por milhares de pessoas que visitam a Austrália para verem a barreira.

Por outro lado, pode vir a impor de uma série de regras aos australianos para que acelerem o processo de combate às alterações climáticas, o que o governo de Camberra considera ser uma ingerência externa e não parece disposto a fazer.

A UNESCO e vários grupos ambientalistas dizem que a Grande Barreira de Coral está a perder cor e a degradar-se. Os peritos falam num branqueamento de milhões de corais nos últimos anos, por causa do aumento da temperatura da água do mar.

A barreira coralina australiana ocupa uma área de mais de 348 mil quilómetros quadrados e é essencial para o equilíbrio de todo o ecossistema marinho de uma vasta região do Pacífico. Faz parte da lista de locais Património da Humanidade desde 1981.