Eleições nos EUA

Kamala Harris ou Mike Pence. Os dois devem estar preparados para assumir liderança da Casa Branca

Jonathan Ernst

São os candidatos à vice-presidência dos Estados Unidos, mas podem ter que assumir o mais alto cargo. Trump tem 74 anos e Biden 78. Em caso de problemas de saúde, o vice-presidetente eleito terá de substituir o Presidente.

Kamala Harris ou Mike Pence poderão substituir ou suceder ao líder da Casa Branca em caso de impedimento de continuação do Presidente que vai ser eleito em 3 de novembro.

Donald Trump, com 74 anos, é o Presidente mais velho que já ocupou a Casa Branca e Joe Biden, que completa 78 anos em 20 de novembro, pode vir a tornar-se o mais idoso se for eleito.

Os dois correm alguns riscos de saúde e por isso, entre as funções essenciais dos vice-Presidentes, a Constituição dos EUA declara que a sucessão direta em caso de morte, destituição ou desistência é uma das funções centrais.

O atual vice-Presidente dos Estados Unidos, Mike Pence, e a candidata democrata ao cargo, Kamala Harris, vão encontrar-se em Salt Lake City, no Estado de Utah, na madrugada de quinta-feira em Lisboa, para o único debate vice-presidencial das eleições de 3 de novembro.

Este é considerado um dos debates mais importantes de sempre ao nível de vice-Presidentes.

Cinco presidentes já morreram por problemas de saúde

Na história dos EUA, cinco Presidentes morreram por problemas de saúde durante o exercício do cargo, quatro deles foram assassinados e um demitiu-se.

Em 45 Presidentes do país, dez foram vice-Presidentes que tiveram de subir ao cargo como sucessores e sem necessidade de convocar eleições antecipadas.

Em 1841, o nono Presidente do país, Henry Harrison, morreu no 31.º dia do seu mandato, por uma pneumonia. John Tyler, que servia como vice-Presidente por ter ficado em segundo lugar nas eleições de 1840, de acordo com o sistema vigente na altura, viu-se obrigado a governar o país de 1841 a 1845.

Alguns anos mais tarde, Millard Fillmore sucedeu ao Presidente Zachary Taylor, nos anos de 1850 até 1853. Zachary Taylor morreu aos 65 anos, durante a sua Presidência, alegadamente por uma doença do foro digestivo.

Em 1865, registava-se o primeiro assassínio nos Estados Unidos de um Presidente em exercício. Abraham Lincoln, considerado um dos políticos mais importantes da história dos EUA e que estava no início do seu segundo mandato como Presidente, foi assassinado em 14 de abril daquele ano, por razões de índole política, por um opositor.

O assassino, John Wilkes Booth, ator e crítico da abolição da escravatura, e matou o Presidente dentro de um teatro, com uma arma de fogo. O ano de 1865 era de guerra civil nos Estados Unidos, e um dos motivos do confronto tinha a ver com a escravatura.

John Wilkes Booth morreu doze dias depois, aos 26 anos, vítima de um tiro de vingadores do antigo Presidente.

Andrew Johnson sucedia assim ao cargo, tendo sido Presidente de 1865 a 1869.

Em 2 de julho de 1881, o Presidente em exercício, James Garfield, foi vítima de uma tentativa de assassínio, quatro meses depois de ter tomado posse, tendo morrido em 19 de setembro do mesmo ano por infeções relacionadas com o atentado.

O homem que disparou contra o Presidente acreditava ter direito a recompensações por ter ajudado James Garfield a ganhar as eleições. A história fala de uma "dívida política imaginada" e, um ano depois, o culpado foi condenado à pena de morte e enforcado.

Sucedeu no cargo o 20.º vice-Presidente, Chester Arthur, que governou de 1881 a 1885.

Já em 1901, ocorreu o terceiro assassínio de um Presidente nos Estados Unidos.

William McKinley, que estava no seu segundo mandato, sofreu dois disparos de arma no abdómen, quando cumprimentava o público de uma exposição em Nova Iorque, com data de morte em 14 de setembro, apenas uma semana depois do ataque.

O responsável pelo ataque tinha 28 anos, era anarquista e explicou numa carta que matou William McKinley porque o Presidente "era inimigo de todas as pessoas boas -- as pessoas boas e trabalhadoras". Foi condenado à pena de morte e eletrocutado na cadeira elétrica.

Assim subiu à Presidência outra personagem histórica dos Estados Unidos, Theodore Roosevelt, antigo vice-Presidente e que permaneceu no cargo de 1901 a 1909, com dois mandatos.

O ano de 1923 marcava a morte do Presidente Warren Harding, aos 57 anos, devido a um ataque cardíaco. O vice-Presidente Calvin Coolidge foi então nomeado 30.º Presidente dos Estados Unidos.

Franklin Delano Roosevelt morreu em 12 de abril de 1945, aos 63 anos, por hemorragia cerebral, dias depois da Conferência de Ialta, onde negociava a paz depois da Segunda Guerra Mundial com o líder russo Joseph Stalin e o primeiro-ministro britânico Winston Churchill e apenas alguns dias antes da conferência de trabalhos para a fundação da Organização das Nações Unidas (ONU).

Roosevelt tinha ganho um recorde de quatro eleições presidenciais e presidiu de 1933 até 1945.

O sucessor foi Harry Truman, Presidente de 1945 a 1953.

Lyndon Johnson foi proclamado Presidente em 1963, depois do assassínio de John Kennedy, o Presidente mais jovem dos EUA e que foi morto aos 46 anos, em 22 de novembro.

O assassino de John Kennedy, Lee Harvey Oswald, tinha 24 anos e também foi morto a tiro dois dias depois do ataque.

O antigo vice-Presidente Lyndon Johnson exerceu o cargo entre 1963 e 1969.

Gerald Ford foi o Presidente que sucedeu ao único chefe do país que se demitiu, Richard Nixon, em 09 de agosto de 1974, na sequência do escândalo Watergate e do processo de destituição instaurado em 1973.

Os documentos e informações investigadas pelos jornalistas Bob Woodward e Carl Bernstein revelavam informações secretas sobre atividades de intimidação e sabotagem praticadas por membros da administração a ativistas políticas ou opositores. No total, foram condenados 48 funcionários da administração de Richard Nixon.