Presidenciais

PAN anuncia apoio à candidatura de Ana Gomes à Presidência da República

JOSÉ SENA GOULÃO

PAN explica o apoio a Ana Gomes por ser a "única candidata progressista, humanista, europeísta e que sente a emergência climática que vivemos".

O PAN vai apoiar a candidatura de Ana Gomes às eleições presidenciais de 2021. O anúncio foi feito esta quinta-feira, em conferência de imprensa, por Inês de Sousa Real, membro da Comissão Política Nacional do partido.

Inês Sousa Real explicou que "o partido não poderia colocar-se à margem desta eleição" principalmente pelo contexto atual "que coloca importantes desafios, ditados pelas crises sanitária, económica e social, bem como pela emergência climática." Acrescentando ainda que, ao tratar-se de "uma eleição de pessoas e não de partidos", o PAN decidiu "apoiar a candidatura de Ana Gomes à Presidência da República”.

Fazemo-lo porque Ana Gomes é a única candidata progressista, humanista, europeísta e que sente a emergência climática que vivemos, que pela sua independência e pela transversalidade das suas ideias é capaz de agregar diferentes campos políticos, ativismos, gerações e diferentes sensibilidades, capaz de levar a eleição a uma segunda volta e de vencer estas eleições”, refere ainda a líder do grupo parlamentar do PAN.

O PAN é o segundo partido a anunciar o apoio à antiga eurodeputada, depois de o Livre o ter feito no final de setembro.

Na semana passada, o porta-voz do PAN, questionado sobre o assunto, referiu que o partido se encontrava "a fazer esse debate internamente" e adiantou que "muito em breve" tomaria uma posição oficial sobre as eleições presidenciais.

Nas presidenciais de 2016, o Pessoas-Animais-Natureza declarou apoio à historiadora, escritora e ex-jornalista Manuela Gonzaga, que acabou por desistir antes das eleições por não ter conseguido a validação das 7.500 assinaturas necessárias para oficializar a candidatura.

Ana Gomes honrada com apoio do PAN assinala convergência com ambientalistas

A candidata presidencial Ana Gomes mostrou-se "muito honrada" com o apoio político do PAN à sua candidatura e admitiu "muitos pontos de convergência" entre si e os ambientalistas.

"Contactos havidos com o PAN permitiram, efetivamente, identificar muitos pontos de convergência entre ideias do PAN e da minha candidatura", sublinhou a ex-eurodeputada socialista numa declaração à agência Lusa.

Entre esses pontos Ana Gomes apontou "a necessidade premente de defender o meio ambiente, apoiar a transição climática e melhorar os direitos de pessoas e animais".

"É sabido que sou militante do Partido Socialista. Mas entendo que é no quadro de uma convergência de ideias mais alargada, com cidadãos, partidos e forças políticas progressistas, que a minha candidatura a Presidente da República se deve situar. Afirmei desde logo esse propósito quando me apresentei, faz hoje [quinta-feira] precisamente três semanas", salientou, por outro lado, a diplomata.

Ana Gomes manifestou a convicção de que a estabilidade que todos defendem para Portugal sairá reforçada pela capacidade de a Presidente da República recolher apoios alargados.

"Entendo que essa estabilidade, que todos desejamos e ambicionamos para Portugal e para os portugueses, ficará mais reforçada se a Presidente da República tiver a capacidade de acolher e de integrar na sua proposta apoios políticos alargados. É nesse sentido que saúdo e me sinto muito honrada com o apoio do PAN à minha candidatura", acentuou.

A estabilidade política, segundo a candidata, "passa por essa convergência".

"A Presidência da República tem um papel central na estabilidade do sistema político. Papel central esse que lhe é conferido pela própria Constituição da República Portuguesa, designadamente, em matéria de separação de poderes", assinalou ainda.