Presidenciais

Catarina Martins agradece coragem de Marisa Matias

"É isso que faz a Marisa: abrir caminhos, fazer pontes, muito para lá de qualquer resultado"

A coordenadora do BE, Catarina Martins, agradeceu este domingo a "coragem de Marisa Matias" e, admitindo que o resultado não foi o esperado, considerou que a candidata presidencial conseguiu "abrir caminhos e fazer pontes".

"Hoje a noite é seguramente dos candidatos presidenciais, mas eu queria, em nome do BE, agradecer à Marisa Matias a grande campanha que ela fez, a sua enorme coragem e a capacidade que teve de pôr na agenda os temas que interessam", disse Catarina Martins, no quartel-general de Marisa Matias para acompanhar a noite eleitoral.

Admitindo, tal como já tinha feito a candidata apoiada pelo BE, que o resultado não foi o esperado, para a líder do BE "também é verdade que foi a candidatura de Marisa Matias, que numa situação tão complicada do ponto de vista político e mesmo com tanta dificuldade de fazer a própria campanha, colocou "os temas que interessam na agenda e que vão marcar os próximos tempos", como o SNS, a precariedade ou a emergência climática.

"As noites eleitorais, umas são melhores, outras são piores, mas há uma coisa que nós sabemos: é a firmeza daquilo em que acreditamos e a justeza daquilo em que acreditamos que abre caminhos para o dia seguinte e é isso que faz a Marisa: abrir caminhos, fazer pontes, muito para lá de qualquer resultado", enalteceu.

De acordo com Catarina Martins, "a Marisa Matias foi a candidata que fez o discurso claro contra o racismo e a xenofobia, em nome da igualdade e contra a violência contra as mulheres".

"Essa coragem da Marisa Matias inspira muita gente. Inspira-me a mim, seguramente, e estou-lhe muito grata", enalteceu.

“Dei o melhor de mim, mas o resultado não é o que eu desejava”

A candidata apoiada pelo Bloco de Esquerda, Marisa Matias, ficou em 5.º lugar nas eleições Presidenciais.

Sobre o seu resultado, diz que ficou aquém do esperado e que não é “o resultado que desejava”. Mantém a intenção de continuar com as lutas por um país solidário, que defenda a democracia e que não aceite “crise e divisão como política”.

Sobre os resultados do candidato André Ventura, apoiado pelo partido Chega, Marisa Matias afirma-se preocupada com o que classifica como uma reconfiguração de direita.

Por fim, a candidata agradece aos eleitores e compromete-se a continuar com o legado do movimento #VermelhoEmBelém por “cada mulher, menina e homem” no combate ao fim da violência contra as mulheres.