Escândalo Volkswagen

Três antigos e atuais Presidentes da Volkswagen acusados no caso Dieselgate

O presidente do grupo Volkswagen, Herbert Diess agora formalmente acusado no caso Dieselgate

Paul Sancya

Atual e antigo presidentes do grupo Volkswagen e ainda o presidente do Conselho de Supervisão foram formalmente acusados pela justiça alemã por informarem tarde sobre o escândalo diesel.

Ralph Orlowski

O Ministério Público de Braunschweig (Alemanha) apresentou hoje acusação contra o presidente do grupo Volkswagen, Herbert Diess, o seu antecessor, Martin Winterkorn, e o presidente do Conselho de Supervisão, Hans Dieter Pötsch, por informarem tarde sobre o escândalo diesel.

A acusação centra-se na questão de saber se houve intenção de ocultar a dimensão do caso da manipulação de emissões de motores diesel aos investidores para evitar ou mitigar as consequências financeiras.

O consócio informou pela primeira vez sobre o assunto no dia 22 de setembro de 2015, dias depois de as autoridades dos Estados Unidos terem desvendado o escândalo.

No entanto, antes já havia indícios suficientes do caso, que tinha mesmo sido abordado numa reunião interna, em julho de 2015, na qual estiveram presentes tanto Winterkorn, como o então responsável pelas marcas, Diess.

A acusação apresentada agora em Braunschweig segue-se à que foi formulada em abril passado por manipulação de emissões contra Winterkorn, que deixou o cargo em 2015, e de outras quatro pessoas.

O caso das emissões foi conhecido em setembro de 2015 após investigações nos Estados Unidos, seguindo-se a demissão do presidente do grupo.

A Volkswagen admitiu na altura que milhares de veículos das marcas do grupo com motores diesel de dois litros estavam equipados com um dispositivo para manipular os testes de emissões.

Com Lusa