Guerra Rússia-Ucrânia

Macron e Putin conversaram ao telefone, Zaporíjia foi um dos temas

Macron e Putin conversaram ao telefone, Zaporíjia foi um dos temas
DMITRY LOVETSKY/Getty Imagens

O Kremlin diz que Vladimir Putin alertou Emmanuel Macron para uma catástrofe de larga escala provocada pelos bombardeamentos à central. Mas há outra questão a preocupar o Presidente russo.

Os presidentes de França e da Rússia conversaram, esta sexta-feira, por telefone sobre a situação na Ucrânia. Um dos temas que preocupa ambos, de acordo com a agência Reuters, é a central nuclear de Zaporíjia.

Segundo o Eliseu, o Presidente russo aceitou que especialistas da Agência Internacional de Energia Atómica (IAEA) visitem a central para avaliar o impacto que tiveram os recentes bombardeamentos nas proximidades da estrutura.

Além de Zaporíjia, a exportação de produtos agrícolas russos também foi tema. O Presidente Vladimir Putin criticou, durante a conversa com Macron, os "obstáculos" que persistem na exportação apesar do acordo assinado no mês passado sob mediação internacional.

Segundo comunicado do Kremlin, Putin terá alertado que esses "obstáculos (...) não contribuem para uma solução dos problemas relacionados com a segurança alimentar global".

Os dois presidentes acordaram manter o contacto nos próximos dias.

Kiev prevê ataque russo "em grande escala"

A informação sobre a conversa por telefone surge no mesmo dia em que os serviços de informações ucranianos revelaram ter recebido confirmação sobre a preparação de um ataque russo "em grande escala" na central nuclear de Zaporíjia.

"Recebemos confirmação adicional [dos serviços de informações] sobre a preparação pelos ocupantes [russos] de uma provocação na central nuclear de Zaporíjia em 19 de agosto", disse, em comunicado citado pela agência Unian, a Direção Principal de Informações (DPI) do Ministério da Defesa ucraniano.

"Considerando a quantidade de armamento agora nas instalações da central nuclear, bem como os repetidos bombardeamentos [russos] feitos como provocação, há uma alta probabilidade de um ataque terrorista em grande escala à instalação nuclear"

As forças russas controlam a central de Zaporíjia, a maior do género na Europa, mas ambas as partes acusam-se mutuamente de ataques que podem provocar um desastre nuclear. A Ucrânia tem quatro centrais nucleares em funcionamento, com um total de 15 reatores, seis dos quais na de Zaporíjia.