Guerra Rússia-Ucrânia

Níveis de radiação na central nuclear de Zaporijia estão dentro das normas

Loading...
A região onde está a maior central nuclear da Europa tem sido alvo de vários ataques nos últimos dias.

Apesar dos recentes incidentes na central nuclear de Zaporijia, os níveis de radiação estão dentro das normas. A garantia é dada tanto pela Ucrânia, como pela Rússia. Mas a população na região mostra-se preocupada com o que poderá acontecer.

A central nuclear de Zaporijia está tomada pelas forças russas desde o início de março, mas a cidade em si continua sob domínio das forças ucranianas. Grande parte da população permanece na zona, mas o receio de um desastre paira no ar. Receios que são também partilhados por quem vive na capital ucraniana, a 600 quilómetros da central nuclear.

O país conhece bem as consequências de um desastre nuclear: foi há 36 que se deu o acidente em Chernobyl, a cerca de 80km de Kiev, cujos efeitos demorarão séculos a desaparecer.

Mas os especialistas em matéria nuclear têm vindo a tranquilizar a opinião pública, explicando que a central de Zaporijia é muito mais segura que a de Chernobyl e que a probabilidade de um desastre daquela magnitude é baixa.

Ainda assim, as opiniões do ocidente convergem num ponto: na necessidade de desmilitarização da central, que Moscovo recusa. As tropas russas mantêm no local centenas de soldados e várias unidades de veículos militares.

A Ucrânia e a Rússia têm trocado acusações sobre os cada vez mais frequentes bombardeamentos no território. Ainda esta semana, foram ativados os sistemas de segurança da central nuclear por causa de um incêndio nas imediações que desconectou os reatores da rede elétrica ucraniana – a única forma de refrigeração. A informação é de que o sistema elétrico foi restabelecido e que os níveis de radiação permanecem dentro das normas.

Nos próximos dias, o local será visitado por uma equipa de especialistas da Agência Internacional da Energia Atómica. Uma vitória, nas palavras de Volodymyr Zelensky, conseguida após meses de negociações.

Últimas Notícias
Mais Vistos