Guerra Rússia-Ucrânia

"Glória aos heróis", o momento em que prisioneiros de guerra são libertados

Mais de 200 prisioneiros ucranianos estão a salvo e foram recebidos por familiares e colegas.

Os 215 prisoneiros de guerra ucranianos foram libertados pelos russos esta quinta-feira, após meses em cativeiro. Entre estes prisioneiros estão os combatentes da fábrica em Azovstal. Em troca, a Ucrânia desistiu de um aliado do Presidente Putin, o oligarca Viktor Medvedchuk.

O Presidente Zelensky anunciou a maior troca de prisioneiros de guerra desde o início da guerra. A maioria dos soldados e oficiais libertados, enfrentavam a pena de morte, após serem capturados em territórios ocupados pela Rússia.

Dos 215 prisioneiros de guerra estão combatentes do complexo siderúrgico de Azovstal, e 10 prisioneiros estrangeiros (cinco britânicos, dois norte-americanos, um marroquino, um sueco e um croata), que serão transferidos da Rússia para a Arábia Saudita.

Os últimos defensores ucranianos de Mariupol, entrincheirados no complexo industrial de Azovstal, renderam-se às forças russas entre 16 e 20 de maio, após três meses de intensos combates.

Moscovo ainda não se pronunciou sobre esta troca de prisioneiros de guerra.

Zelensky garantiu que não lamenta trocar o amigo próximo de Putin por "verdadeiros guerreiros". Nas imagens, o Presidente ucraniano assiste aos testemunhos dos prisioneiros de guerra.

Últimas Notícias