Guerra Rússia-Ucrânia

Biden não tenciona reunir-se com Putin na cimeira do G20

Joe Biden e Vladimir Putin em Génova, Itália
Joe Biden e Vladimir Putin em Génova, Itália
DENIS BALIBOUSE
Tanto o Presidente norte-americano como o líder russo estão na lista de convidados para a reunião anual do G20, que a Indonésia irá acolher em novembro.

O Presidente norte-americano, Joe Biden, disse não ter intenção de se encontrar com o chefe de Estado russo, Vladimir Putin, na próxima cimeira do G20, em novembro.

"Não pretendo reunir-me com ele. Mas se, por exemplo, me dissesse: 'Quero falar sobre Griner', encontrar-me-ia com ele. O que quero dizer é que depende", disse o democrata, em entrevista à televisão norte-americana CNN, na terça-feira.

Em agosto, um tribunal russo condenou a estrela do basquetebol feminino norte-americano Brittney Griner a nove anos de prisão por tráfico de droga.

Griner foi detida em 17 de fevereiro, num aeroporto em Moscovo, depois de terem sido encontrados óleos canabinoides, vaporizadores e outros produtos na bagagem, segundo as autoridades russas.

Por outro lado, Biden sublinhou que se recusaria a "negociar seja o que for com a Rússia, tendo com base" qualquer pretensão russa a ficar "com parte da Ucrânia".

Horas antes da entrevista de Biden, o ministro dos Negócios Estrangeiros russo, Serguei Lavrov, tinha afirmado que Moscovo está disposto "a estudar" a realização de um encontro entre Putin e Biden, à margem da cimeira do G20.

Contudo, Lavrov sublinhou não existir, por enquanto, qualquer proposta formal.

"Já dissemos muitas vezes que não rejeitamos estas reuniões. Se houver uma proposta, vamos estudá-la", disse o chefe da diplomacia russa, numa entrevista à rede Rossiya-1.

Tanto o Presidente norte-americano, como o líder russo estão na lista de convidados para a reunião anual do G20 (grupo das 20 maiores economias do mundo), que a Indonésia irá acolher entre 15 e 16 de novembro.

Na mesma entrevista, Biden disse achar que Putin "é um agente racional que cometeu um erro significativo de cálculo" ao achar que "seria recebido de braços abertos" pelos ucranianos.

O democrata também disse não acreditar que a Rússia venha a usar armas nucleares na Ucrânia, mas disse que a ameaça, como Putin fez, é irresponsável e pode resultar em "erros catastróficos".

Ainda assim, Biden evitou responder à pergunta sobre qual seria a resposta dos EUA no caso de uma escalada nuclear do conflito.

Na semana passada, o Presidente dos Estados Unidos disse que a ameaça russa de utilizar armas nucleares no conflito da Ucrânia coloca o mundo em risco de "um apocalipse".

Tal acontece pela primeira vez desde a crise dos mísseis cubanos no auge da Guerra Fria, sublinhou Joe Biden.

Últimas Notícias