Guerra Rússia-Ucrânia

Russo que se negou a combater na Ucrânia vai ser julgado e arrisca prisão

Russo que se negou a combater na Ucrânia vai ser julgado e arrisca prisão
KIRILL KUDRYAVTSEV
A Rússia instaurou o primeiro caso penal contra um reservista que se negou a combater.

A justiça militar russa abriu o primeiro processo criminal contra um reservista que se recusou a lutar na Ucrânia, revelou o advogado de Direitos Humanos Pável Chíkov.

"Não vou a nenhuma Ucrânia, nem pretendo atirar em nenhum ucraniano", respondeu o réu ao comandante que o interrogava, segundo explicou o ativista na rede social Telegram.

Trata-se de um cidadão da região siberiana de Yakutia e os acontecimentos deram-se num quartel em Ulan-Ude, capital da região de Buryatia, na Rússia.

Posteriormente, e de acordo ainda com o seu depoimento citado pela agência Efe, os oficiais da unidade militar ameaçaram-no com represálias e com a abertura de um processo, o que o levou a que fugisse.

O fugitivo, um sargento, foi mobilizado em 23 de setembro e retirado da sua unidade militar cinco dias depois.

O reservista, que foi convocado no âmbito da mobilização parcial decretada pelo presidente, Vladimir Putin, pode ser condenado a vários anos de prisão.

Centenas de milhares de russos em idade militar deixaram a Rússia nas últimas semanas com medo de serem enviados para as linhas de frente na Ucrânia.

Além disso, muitos dos mobilizados e voluntários denunciaram a falta de equipamentos, as más condições da sua manutenção, bem como a falta de treino militar.

Últimas Notícias