Guerra Rússia-Ucrânia

Dois russos pedem asilo aos EUA depois de fugirem ao serviço militar

Dois russos pedem asilo aos EUA depois de fugirem ao serviço militar
Anadolu Agency

Em 21 de setembro, o Presidente russo anunciou uma mobilização parcial de 300 mil reservistas em idade de combater.

Dois russos, que revelaram terem fugido de barco do país para evitar o serviço militar obrigatório, solicitaram asilo nos Estados Unidos, depois de terem desembarcarem numa ilha remota do Alasca, no mar de Bering, foi divulgado.

O gabinete da senadora norte-americana Lisa Murkowski adiantou hoje que está em comunicação com a Guarda Costeira dos EUA e com os Serviços de Alfândega e Proteção de Fronteiras e que os russos relataram que fugiram de uma das comunidades costeiras da costa lesta da Rússia, para evitar o serviço militar obrigatório.

Porta-vozes da Guarda Costeira e da Alfândega e Proteção de Fronteiras encaminharam as perguntas sobre este tema para o Departamento de Segurança Interna dos EUA, que ainda não respondeu, noticia a agência Associated Press (AP).

Os senadores do Alasca, os republicanos Murkowski e Dan Sullivan, referiram que os russos desembarcaram numa praia perto de Gambell, uma comunidade isolada de cerca de 600 pessoas na ilha de St. Lawrence.

O comunicado não especifica quando o incidente ocorreu, embora Sullivan tenha indicado que foi alertado sobre o assunto por um "líder comunitário sénior da região do Estreito de Bering" na manhã de terça-feira.

Um porta-voz de Sullivan, Ben Dietderich, acrescentou que era entendimento do gabinete que os dois russos chegaram de barco.Gambell fica a cerca de 320 quilómetros a sudoeste da comunidade de Nome, no oeste do Alasca, e a cerca de 58 quilómetros da península de Chukotka, na Sibéria.

Mobilização

Em 21 de setembro, o Presidente russo, Vladimir Putin, anunciou uma mobilização parcial de 300 mil reservistas em idade de combater, por considerar que o objetivo do Ocidente é destruir a Rússia.

Na terça-feira, o ministro da Defesa russo, Sergei Shoigu, afirmou que, desde 21 de setembro, mais de 200.000 cidadãos juntaram-se às fileiras, de um total de 300.000 reservistas que devem ser mobilizados.

A Presidência russa (Kremlin) classificou hoje como "uma farsa" a informação divulgada de que 700.000 russos saíram do país devido à mobilização militar parcial para a Ucrânia.

Últimas Notícias
Mais Vistos