Guerra Rússia-Ucrânia

Zelensky deixa alerta ao Ocidente e contesta limite ao preço do petróleo russo

Loading...

Decisão foi tomada pela União Europeia e apoiada por vários países.

A partir desta segunda-feira, entra em vigor o teto máximo no valor do petróleo russo, com a União Europeia, o G7 e Austrália a pagarem apenas a Moscovo 60 dólares por barril. A ideia é estabilizar os preços e estrangular a economia russa, em dias de guerra, mas Zelensky diz que a medida é insuficiente.

A decisão tomada pela União Europeia e apoiada por vários países, como os Estados Unidos, o Canadá, o Reino Unido, o Japão e a Austrália, é um passo no desconhecido.

Ninguém consegue dizer ao certo como vai mexer nos mercados, tanto que a decisão prevê uma cláusula de emergência, ou seja, se necessário o petróleo russo volta a ser comprado acima do teto agora imposto.

A ideia vai ainda assim adiante com um objetivo muito preciso, tal como explica Andrew Wilson, analista internacional:

“Os aliados ocidentais têm procurado formas de atingir a economia russa de uma forma punitiva para a impedir de angariar mais fundos e lucros, tirando proveito da situação. Assim, tivemos a banca, tivemos os oligarcas, tivemos todos os diferentes tipos de regulamentos comerciais, regras comerciais, restrições monetárias e assim por diante. Mas o petróleo tem sido sempre este alvo que o Ocidente tem tido os olhos postos”, explica

O Ocidente tenta desta forma limitar a maior fonte de rendimento do Governo russo e prejudicar o empenho de Moscovo na guerra na Ucrânia. Contudo, Kiev acha o teto imposto no preço do petróleo russo muito pouco ambicioso.

“A lógica é óbvia: se o preço do petróleo russo for limitado a 60 dólares em vez de, por exemplo, 30 dólares (28 euros), o que foi discutido, em particular, pela Polónia e pelos Estados Bálticos, o orçamento russo receberá cerca de 100 mil milhões de dólares por ano. Este dinheiro não irá apenas para a guerra e para um maior patrocínio pela Rússia de outros regimes e organizações terroristas. Este dinheiro será utilizado para uma maior desestabilização dos países que estão agora a tentar evitar decisões sérias”, refere Volodymyr Zelensky.

Vários países, incluindo a Ucrânia, consideraram que o valor é alto demais para ter efeito real nas receitas de energia da Rússia, mas reconhecem que já representa um significativo desconto face aos cerca de 87 dólares do barril de Brent.

Os russos não aceitam a decisão e prometem para breve uma resposta.

Últimas Notícias
Mais Vistos